Extrema direita tenta se fortalecer com marcha neonazista e ataques | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 15.02.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Extrema direita tenta se fortalecer com marcha neonazista e ataques

Neonazistas atacam grupo de sindicalistas em posto de gasolina, deixando saldo de cinco feridos. Mídia aponta marcha em Dresden como estratégia de campanha eleitoral do partido de extrema direita NPD.

default

Extremistas usam data dos bombardeios de Dresden para organizar manifestação

Um confronto entre membros da central sindical DGB e neonazistas causou transtornos num posto de gasolina situado à beira de uma rodovia no leste da Alemanha na noite deste sábado (14/02). Os dois grupos voltavam de Dresden e se encontraram no posto à beira da rodovia A4: enquanto os skinheads haviam ido à cidade para participar de uma marcha extremista, os sindicalistas haviam se locomovido até lá exatamente para protestar contra a passeata.

O conflito deixou um saldo de cinco feridos, que foram levados para o hospital universitário de Jena, a cidade mais próxima do posto. "Os extremistas de direita xingaram primeiro os membros do grupo da DGB, para depois agredi-los fisicamente com violência", afirmou um porta-voz da polícia local.

Atos frequentes e brutais

Os skinheads conseguiram fugir no ônibus fretado em que viajavam, mas foram interpelados por policiais pouco depois. As autoridades registraram os documentos dos 40 envolvidos que lotavam o ônibus, a fim de encaminhar os dados para a promotoria responsável pela investigação.

Também membros do partido A Esquerda, do estado de Hessen, encontravam-se entre os sindicalistas atacados. "Os atos de violência dos neonazistas, cada vez mais frequentes e brutais, me assustam. Conclamo todos os responsáveis a, enfim, tomarem providências contra a cena neonazista", afirmou Ulrich Wilken, presidente do partido em Hessen.

Manifestações contra neonazistas

Protest in Dresden

Milhares de pessoas foram às ruas em protesto contra manifestação da extrema direita

Em Dresden, mais de 12 mil pessoas foram às ruas no último sábado protestar contra a passeata neonazista, que reuniu na cidade seis mil extremistas. Houve 19 protestos diferentes, dos quais participaram representantes de diversos partidos políticos, do Conselho Central dos Judeus no país e de centrais sindicais.

A marcha dos skinheads reuniu militantes de toda a Alemanha e de outros países. Da Eslováquia e da República Tcheca participaram grupos envolvidos em ataques recentes a membros das etnias sinto e rom. Os neonazistas marcharam pelo centro de Dresden em sinal "de luto" pelas bombas dos aliados que caíram na cidade nos dias 13 e 14 de fevereiro de 1945.

Papel de Dresden

Desde 1999, os extremistas de direita aproveitam a data para organizar, todos os anos, manifestações de teor extremista em Dresden. "A memória aos bombardeios na cidade se transformou num highlight dos radicais de direita", comenta o semanário alemão Der Spiegel. Os extremistas insistem que a cidade tenha sido bombardeada "injustamente", o que teria custado a vida de "centenas de milhares de civis inocentes".

Uma comissão de historiadores contratada pela administração da cidade em 2004 publicou um estudo apontando o papel desempenhado por Dresden durante o período nazista e registrando a deportação de muitos judeus para campos de concentração. "Dali também foram arquitetados os planos de Hitler para atacar o Leste Europeu", assinala o Der Spiegel.

Participação do NPD

Rechtsextremisten streben wieder in die Mitte der Gesellschaft

Partido de extrema direita NPD: problemas com o fisco

Os neonazistas que marcharam – com permissão da prefeitura – pelo centro histórico da cidade ignoram, no entanto, tudo isso. Da passeata participaram membros do partido de extrema direita NPD e de diversas organizações extremistas, que levavam cartazes com dizeres do tipo "holocausto das bombas dos aliados", usavam roupas de bandas de rock ligadas à cena neonazista ou com referências ao NPD e carregavam bandeiras alemãs com a marcação de fronteiras do país do ano de 1937.

Para o NPD, a seis meses das próximas eleições parlamentares, a marcha foi usada como tentativa de provar que a cena de extrema direita no país não é tão desorganizada como parece. "O partido usa essa marcha para demonstrar forçosamente uma certa unidade da cena de direita, que na verdade não existe. É o início de sua campanha eleitoral", comentou o semanário Die Zeit.

O partido, segundo o Der Spiegel, caiu na malha do fisco. Devido a irregularidades detectadas em seus caixas, o partido poderá ser forçado a ressarcir o Estado em nada menos que 900 mil euros. Não é a primeira vez que o NPD tem problemas fiscais. Em 2008, a Justiça condenou o partido a devolver uma soma semelhante aos cofres públicos.

Leia mais