1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Exposição em Frankfurt destaca nova arquitetura brasileira

Organizada pelo Museu Alemão da Arquitetura, mostra "Nove Novos" apresenta projetos da nova geração de arquitetos brasileiros. Evento faz parte do circuito cultural da Feira do Livro.

O Congresso Nacional e o Palácio do Planalto, em Brasília, o Masp e o edifício Copan, em São Paulo, e o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro são ícones do modernismo brasileiro. O movimento do século passado ainda é, dentro e fora do Brasil, a marca da arquitetura do país. Mas, quase um século depois, onde se encontra a arquitetura brasileira hoje? Parte da resposta pode ser encontra na exposição Nove Novos, em cartaz no Museu Alemão da Arquitetura em Frankfurt.

A mostra, que acontece paralelamente à Feira do Livro, foi organizada pelo museu alemão e tem curadoria de seu diretor, Peter Cachola Schmal, e do brasileiro Ricardo Ohtake, que também foi curador do pavilhão brasileiro na Bienal de Arquitetura de Veneza em 2010. Nove escritórios brasileiros de arquitetura foram selecionados, com projetos de residências, museus, prédios públicos e comerciais.

"Schmal é um grande entusiasta da arquitetura. Ele esteve no Brasil, conheceu arquitetos, foi observar pessoalmente obras e me convidou para participar da curadoria", observa Ohtake. Os projetos, de autores em torno dos 40 anos, já foram construídos. Eles foram escolhidos por suas qualidades estéticas. A diversidade também foi um critério importante. "A eleição se deu pela qualidade do projeto, suas estratégias espaciais e o uso dos materiais", explica Ohtake.

Além do modernismo

Schmal quer revelar para o público europeu uma nova geração de arquitetos que, segundo ele, reúnem condições de reconquistar a posição que a arquitetura brasileira já teve no exterior. A seleção reúne grandes obras de profissionais jovens, uma combinação quase impensável na Europa, segundo o curador alemão. Para ele, isso revela o potencial de renovação da arquitetura brasileira.

"A rigor, a nova geração não se desprendeu, ficou mais arraigada ao modernismo, porém com mais leveza e mais transparência. A forma 'paralelepipédica' continua existindo e preponderando. Os arquitetos, ao quebrarem o lote urbano, privado e retangular, deixam o espaço público da rua adentrar o terreno, diluindo a linha de divisão", diz Ohtake.

Os projetos evidenciam influências do modernismo, mas também mostram uma arquitetura aberta a novas tendências, que olha para o futuro e para o seu entorno, tentando modificar o caos urbano, aprender com o passado e dialogar com a diversidade natural do Brasil.

Como exemplo, Ohtake cita o Ministério da Educação e Saúde no Rio de Janeiro, o primeiro edifício moderno de porte, com traço original de Le Corbusier e participação de uma equipe brasileira, incluindo Lucio Costa e o jovem Oscar Niemeyer. "O volume ficou a 10 metros do solo, sem muros, permitindo a visão de todo o quarteirão, e também a passagem de pedestres sob o edifício. Uma solução como essa é difícil hoje, pois há o problema da segurança."

Ausstellung NEUN NEUE Deutsches Architekturmuseum

Passarela na fábrica da Nestlé possibilita o fluxo entre o público externo e os trabalhadores

Diálogo com a natureza

A bela paisagem carioca foi parte integrante do pavilhão temporário Humanidade, criado para a Rio+20, em 2012, no Forte de Copacabana. A arquiteta Carla Juaçaba criou uma construção efêmera, um edifício composto por andaimes translúcidos expostos às condições climáticas e naturais.

A interação com a natureza pode também aparecer de maneira projetada, integrando jardins externos e internos com ambientes fechados numa casa residencial. Essa é a essência do projeto Casa ML, executado em Porto Feliz (SP), numa parceria entre a Jacobsen e a Bernades Arquitetura. A casa de fim de semana gera, segundo Schmal, uma atmosfera à qual os europeus não estão acostumados. De fora, os decks de madeira dão à casa uma aparência fechada. De dentro, o espaço se abre num pátio complementado por um jardim.

No Rio de Janeiro, a bela paisagem natural entra, muitas vezes, em choque com o caos do crescimento urbano acelerado. Contribuir com o desenvolvimento de uma complexa região periférica, que abrange um bairro militar planejado, uma aglomeração de alta densidade, uma área industrial em meio a bairros de classe média e uma vasta paisagem natural foi o desafio da BCMF Arquitetos no projeto do Centro Nacional de Tiro Esportivo. Poucos materiais, uma grade de madeira e fortes linhas horizontais predominam nessa instalação localizada num exuberante vale rodeado de colinas.

Ausstellung NEUN NEUE Deutsches Architekturmuseum

O preto do Tribunal Regional do Trabalho em Goiânia simboliza a neutralidade do espaço democrático

Transformando os arredores

Transformações de ambientes urbanos ou industriais também fazem parte de outros projetos na exposição. O edifício de escritórios João Moura 1144, em São Paulo, tira partido da posição elevada de seu terreno para criar uma presença marcante. Sua fachada funciona como um grande painel colorido. Seu recuo frontal é o dobro do exigido pela lei, garantindo um respiro, sem grades ou muros, e ampliando o espaço coletivo com uma praça comum.

O escritório Metro Arquitetos Associados fez uma forte intervenção na fábrica da Nestlé, construída nos anos 1960 em Caçapava (SP), no projeto do museu do chocolate. A estrutura metálica, com duas torres e passarelas com painéis de vidros, possibilitam o fluxo entre o público externo e os trabalhadores da fábrica. Os painéis laminados são cobertos, na face sul, com uma película vermelha, cor da marca. Já a face norte marca a paisagem ao longo da rodovia Dutra. O museu combina espaços de exposições que complementam a produção da fábrica.

Formado por dois prédios distintos, um brando e um preto, o Tribunal Regional do Trabalho de Goiânia conta com uma praça pública elevada, da qual emerge uma cúpula, o plenário da câmara. O prédio preto, inaugurado em 2012, simboliza, para os profissionais da Corsi Hirano Arquitetos, a neutralidade do espaço democrático. Durante o dia o elemento é concreto e, à noite, torna-se uma espécie de cristal, dando um caráter artístico à obra.

Ausstellung NEUN NEUE Deutsches Architekturmuseum

O Centro Educativo Burle Marx, em Inhotim, é um exemplo da sinergia entre obra arquitetônica e artística

Espaços artísticos

Pelo seu caráter único, a exposição dedica um espaço especial a Inhotim, em Minas Gerais. O grande complexo artístico apresenta galerias desenhadas por jovens arquitetos para cada tipo específico de produção artística. Este é o caso da Galeria Lygia Pape, concebida pelo Rizoma e projetada para abrigar a instalação Titéia 1 C., da brasileira Lygia Pape. O edifício é um cubo fechado – já que a obra trabalha com a luz – que é contorcido em relação à sua base, causando uma desorientação, mudando a percepção de visual para sensorial.

A sinergia entre obra arquitetônica e artística do Centro Educativo Burle Marx, em Inhotim, é um destaque da curadoria da exposição por sua ousada proposta, assinada pelo escritório Arquitetos Associados. O prédio, que abriga livrarias, estúdios e um auditório, é praticamente construído sobre um lago. No seu topo, um espelho d'água recebe o trabalho do artista japonês Yayoi Kusama, onde 550 bolas prateadas flutuam e se movem com o vento. As linhas que definem o interior e o exterior, a arquitetura e a paisagem, são um dos destaques do projeto, que, de diversas maneiras, evidencia a criatividade, leveza e inventividade da nova arquitetura brasileira.

"Esta é uma das mais fantásticas iniciativas brasileiras! Longe de ser um museu ou algo científico, é algo de muita sensibilidade e inventividade, e onde os recursos estão sendo utilizados com muito espírito público", elogia Ohtake.

A exposição Nove Novos está em cartaz no Museu Alemão da Arquitetura, em Frankfurt, até 19 de janeiro de 2014.

Leia mais