1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Exposição em Berlim revela universo de cores de Klee e Itten

Grande retrospectiva traça um panorama do trabalho dos suíços Paul Klee e Johannes Itten. Mestres do construtivismo clássico no século 20, artistas exploram, em suas obras, as variações e teorias do mundo das cores.

Depois da estreia no Museu de Arte de Berna na Suíça, a exposição Kosmos Farbe. Itten – Klee chega a Berlim. À primeira vista, não faz muito sentido que uma grande mostra com dois artistas conhecidos por seu trabalho na Bauhaus comece na pequena capital suíça. Mas os dois, como poucos sabem, são suíços e dessa região do país.

É a primeira vez que o trabalho dos dois artistas ganha uma exposição própria. "Fico surpreso que esses dois expoentes do modernismo clássico nunca tiveram uma exposição conjunta dedicada a eles, já que os pontos comuns e paralelos em suas vidas e obras são evidentes", declarou o curador Christoph Wagner na abertura da exposição em Berlim.

Apresentada em ordem cronológica e dividida em oito temas, a mostra exibe as mais importantes obras de Johannes Itten e Paul Klee, com foco no uso artístico da cor. Cada tema mostra um aspecto diferente na utilização das cores. A disposição das obras cria uma grande sinergia que deixa claro como, ao longo de suas carreiras, Klee inspirou Itten e vice-versa.

Berliner Festspiele - Kosmos Farbe

Itten teve sua escola de artes em Berlim fechada pelos nazistas

Suíços na Alemanha

Itten nasceu em Südern-Linden, em Berna, em 1888. Depois de estudar na Escola de Belas Artes de Genebra, viajou pela Europa visitando museus e exposições e ficou fascinado com o trabalho de Cézanne. Em 1923, começou a lecionar na Bauhaus, em Weimar. Seus trabalhos em pintura, escultura e arquitetura eram focados no abstrato e no figurativo. Foi na Alemanha que ele estabeleceu e consolidou sua carreira.

As coisas começaram a mudar nos anos 1930. Alguns de seus trabalhos foram incluídos na exposição Entartete Kunst (arte degenerada), contra a arte moderna, organizada pelos nazistas em 1937. No ano seguinte, ele imigrou para a Holanda, mas se estabeleceu definitivamente na Suíça. Um ano antes de sua morte, em 1967, representou o país na 33º Bienal de Veneza.

O pai de Klee foi professor e grande inspiração artística para Itten, que, por sua vez, teve grande participação na ida de Klee para a Bauhaus. Ambos também começaram, quase simultaneamente, entre 1914 e 1915, o envolvimento com a teoria das cores: Klee durante uma viagem à Tunísia, e Itten em Stuttgart, quando entrou em contato com as teorias desenvolvidas por Adolf Hölzel.

Klee nasceu em Münchenbuchsee, também na região de Berna, e se mudou para Munique em 1898. Na época, não foi aceito na academia de artes da cidade por falta de prática em desenho figurativo. Fez aulas particulares e ingressou na academia no ano seguinte, abandonando-a meses depois. Em 1909, em Munique, ele viu uma exposição de Cézanne, que depois passou a ser, em sua palavras, seu "instrutor por excelência".

24.01.2009 DW-TV Kultur.21 Paul Klee

Paul Klee buscava a harmonia para refletir sobre as cores

Na década seguinte, a carreira de Klee começou a se consolidar com diversas exposições pela Europa. Em 1921, ele passou a lecionar na Bauhaus. Suas viagens para o Egito levaram consideráveis ideias para suas teoria das cores. Depois da Bauhaus, ele começou a ensinar na Academia de Arte de Düsseldorf, mas, por pressão dos nazistas, deixou o cargo e voltou para Berna. Trabalhos de Klee também foram incluídos na exposição Entartete Kunst.

Teoria e prática

Itten e Klee marcaram a historia da arte no século 20 com suas importantes teorias sobre as cores. Ambos trabalharam com a ideia de que a cor segue suas próprias regras em um universo próprio. Eles buscaram referência nas mesmas ideias históricas e esotéricas e inspiraram, um ao outro, mutuamente. Suas teorias foram desenvolvidas durante décadas de reflexão e trabalho, que tiveram um impacto considerável no mundo das artes.

"O encanto que os dois pintores oferecem aos nossos olhos com suas obras ganha novas dimensões quando somos expostos às teorias intelectuais que eles desenvolveram durante a vida", explica Wagner.

Berliner Festspiele - Kosmos Farbe

A obra de Itten é marcada pela abstração e esoterismo

A partir das impressões da natureza de seus primeiros trabalhos, os artistas começaram a criar um universo próprio quando as teorias das cores começaram a fazer parte de suas obras. "A exposição quer criar novas reflexões sobre a relação entre as cores e o esoterismo, a aura e a harmonia, cores e abstração e a natureza das cores. Pontos-chave no trabalho de Klee e Itten", diz.

Itten era fã do conceito cosmológico de Philipp Otto da esfera de cores. Ele também tentou integrar elementos astrológicos em seus princípios. Baseado nas ideias teosóficas da cor da aura, ele acreditava em diferentes tipos de percepção das cores.

Klee desenvolveu suas ideias em cima da esfera de cores de Runge. "No centro do círculo encontra-se o cinza, que é a harmonia. O círculo não é uma metáfora, mas uma maneira de sistematizar e ordenar, criando uma maneira de refletir sobre algo tão subjetivo como as cores", explica.

A exposição acompanha o desenvolvimento e a evolução dos artistas através de pinturas, desenhos, esculturas, estudos e gráficos. A reflexão sobre as cores passa por racionalismo, abstração, esoterismo, autonomia e elementarismo. "A mostra é uma viagem pelo universo das cores, mas uma jornada que não é teórica ou didática, mas sim prática", conclui o curador.

Kosmos Farbe. Itten – Klee está em cartaz no Martin-Gropius-Bau em Berlim até 29 de julho.

Leia mais