Exposição em Berlim documenta trabalhos forçados durante o nazismo | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 29.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Exposição em Berlim documenta trabalhos forçados durante o nazismo

Museu Judaico de Berlim explicita, em mostra itinerante, a dimensão do horror do trabalho forçado durante o período nazista na Alemanha.

default

Campo de Neuengamme: trabalhos forçados e maus-tratos

"Coluna Grünspan, aprendam a trabalhar!" são os dizeres estampados em um cartaz levantado por dois homens, atrás dos quais estão aproximadamente 12 outros em fila. Com pose militar, eles carregam pás e picaretas como se estivessem segurando armas.

Os judeus, tanto na Alemanha quanto nos territórios ocupados, foram as primeiras vítimas do sistema de trabalhos forçados implementado pelo regime nazista. Acusados de "se esquivarem do trabalho", eles eram humilhados e tinham suas imagens publicamente denegridas. O cinismo do regime chegava ao ápice nas inscrições lidas nos portões de entrada dos campos de concentração: "O trabalho liberta" ( Arbeit macht frei).

Milhões de vítimas

Mais de 20 milhões de homens, mulheres e crianças, oriundos de toda a Europa, foram levados à força para a Alemanha ou confinados nos campos de trabalho forçado dos territórios ocupados. Volkhard Knigge, coordenador da exposição no Museu Judaico de Berlim e diretor do Memorial Buchenwald, localizado no ex-campo de concentração de mesmo nome, fala de um "crime público". No mais tardar a partir de 1941, milhões de pessoas foram submetidas ao trabalho forçado como auxiliares domésticos, na agricultura, em diversos setores da indústria e até mesmo nas igrejas.

Flash-Galerie Zwangsarbeit Ausstellung Jüdisches Museum Berlin

Trabalho forçado em obras do grupo químico IG-Farben no campo de concentração de Auschwitz

Knigge afirma que houve uma "penetração profunda do nazismo na sociedade alemã", o que faz com que o título da atual exposição no Museu Judaico seja tão adequado e pertinente: Trabalho forçado. Os alemães, os trabalhadores forçados e a guerra.

A mostra foi financiada com quatro milhões de euros, disponibilizados pela Fundação "Memória, Responsabilidade, Futuro" – também conhecida como Fundação dos Trabalhadores Forçados – sediada em Berlim desde 2000, o ano de sua criação, e responsável pelo pagamento de cinco bilhões de euros de indenizações às vítimas do trabalho forçado, espalhadas por todo o mundo. Metade dos recursos angariados para esses pagamentos veio dos contribuintes e das empresas alemãs que, durante o período nazista, se aproveitaram da mão-de-obra barata e gratuita.

Frio gélido nas barracas

A exposição em Berlim, com aproximadamente mil fotos, cartas, além de áudios e imagens, deixa claro como o sistema de trabalho forçado funcionava perfeitamente. Denúncias em relação a judeus ou a ciganos das etnias sinti e rom, bem como comentários depreciativos sobre os chamados "trabalhadores estrangeiros", oriundos dos países ocupados pela Wehrmacht, eram corriqueiros. Os alemães teriam que ter tomado a decisão a respeito de como se defrontariam com essas pessoas, "se com um resto de humanidade ou com os critérios misantropos da ideologia racista", acentua o historiador Knigge.

Flash-Galerie Zwangsarbeit Ausstellung Jüdisches Museum Berlin

Prisioneiros soviéticos de guerra recrutados para trabalhos forçados em Zelthain, no ano de 1942

Em estações espalhadas pela exposição, o visitante pode ouvir áudios gravados a partir de lembranças deixadas por escrito pelas vítimas, como por exemplo pelo francês Jaques Leperc, forçado a trabalhar, sob terríveis condições de higiene, na montadora BMW aos 20 anos de idade: "Na barraca onde fui instalado, fazia um frio horrível. Comecei a trabalhar: 12 horas por dia numa semana, e, na outra, turnos noturnos de 12 horas, que eram interrompidos por diversos ataques aéreos", lembra Leperc.

Apesar de extremamente debilitado, ele sobreviveu à exploração, aos maus-tratos e à falta de tratamento médico. De acordo com Knigge, a mostra pretende também prestar uma homenagem a esses trabalhadores forçados ainda vivos.

Elogio de um sobrevivente de Auschwitz

Pela primeira vez, é possível mostrar aspectos dos destinos dessas pessoas, inclusive no pós-guerra. Para isso, os historiadores responsáveis pelo projeto pesquisaram em diversos arquivos, privados e públicos, no mundo inteiro, mas especialmente na Europa, nos EUA e em Israel, tendo se surpreendido sobretudo com o amplo material fotográfico encontrado. Essas fotos, expostas como em um filme, possibilitam uma visão profunda da vida e do sofrimento dos trabalhadores forçados, o que fica claro nos vários exemplos individuais.

O historiador polonês Marian Turski, sobrevivente do Gueto de Varsóvia, bem como dos campos de concentração de Auschwitz e Buchenwald, ficou impressionado com os resultados da longa pesquisa. "Essa é uma exposição muito séria, inteligente e cuidadosamente preparada", diz ele, satisfeito com o fato de que a mostra deverá chegar também à Polônia. De Berlim, a exposição itinerante segue para Varsóvia, onde será inaugurada em 2011. Segundo o curador Knigge, há negociações em relação a outros países.

Esperanças de interesse por parte do Leste Europeu

Acima de tudo, os historiadores envolvidos esperam que a mostra desperte o interesse de países da antiga União Soviética, onde muitos desses trabalhadores forçados ainda foram estigmatizados como traidores da pátria ao regressarem a seus países. A equipe de organização da mostra já está, de qualquer forma, bem preparada caso a exposição desperte o interesse de outros países. O conceito da mostra foi desenvolvido em inglês, francês, polonês e russo.

Flash-Galerie Zwangsarbeit Ausstellung Jüdisches Museum Berlin

Trabalhadores forçados eram também enforcados diante dos demais, como forma de ameaça e coação

Os visitantes da exposição deverão apreender também algumas informações acerca do pós-guerra, especialmente a respeito da repressão do tema "trabalho forçado". Isso ao ponto de, no ano de 1951, em Landsberg, milhares de pessoas terem ido às ruas protestar contra a execução de criminosos de guerra nazistas, que haviam sido condenados. O inacreditável lema dos protestos na época era: "Manifestação contra a desumanidade".

Indenizações são "justiça restrita"

Transcorreu mais de meio século até que o Estado alemão e as empresas do país ­­– maiores beneficiadas com o trabalho forçado – indenizariam as vítimas, o que só ocorreu devido à grande pressão internacional.

O historiador Jens-Christian Wagner, também membro da equipe responsável pela exposição em Berlim, define as indenizações tardias como "justiça restrita". A ajuda humanitária aos sobreviventes do trabalho forçado só aconteceu quando 80% deles já haviam morrido, ressalta o historiador.

"E é preciso dizer com clareza que grupos grandes de trabalhadores forçados, como os prisioneiros de guerra soviéticos ou os italianos em internamento militar, nunca foram indenizados", lamenta Wagner. Ou seja, a história do trabalho forçado não chegou ao fim e nos arquivos ainda há muito material a ser descoberto e avaliado, completa o historiador.

Na fila com Imre Kertész

O polonês Marian Turski, que construiu estradas no campo de concentração de Auschwitz e trabalhou ao lado do escritor húngaro Imre Kertész, Nobel de Literatura, em Buchenwald, lamenta que apenas poucos dos sobreviventes em seu país possam ver a exposição.

"Os sobreviventes já estão, em sua maioria, idosos demais. E grande parte deles vive no interior do país. Para eles vai ser provavelmente difícil ir até Varsóvia para ver a mostra", completa Turski.

Depois de alguns segundos de hesitação, ele acrescenta como é realmente importante, contudo, que as próximas gerações, através desta exposição, aprendam mais sobre os crimes do regime nazista, acerca dos quais tantos silenciaram por tanto tempo.

Autor: Marcel Fürstenau (sv)

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais