1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Expectativa de vida aumenta mundo afora, aponta estudo

Pesquisa revela que as pessoas estão vivendo, em média, 6 anos a mais do que em 1990, mas também estão gastando mais tempo lutando contra doenças. No Brasil, expectativa de vida sobe de 69,25 para 75 anos de idade.

A população mundial está vivendo mais, mas também está gastando mais tempo lutando contra doenças e deficiências, aponta uma pesquisa publicada na revista científica The Lancet nesta quarta-feira (26/08).

Theo Vos, professor do Instituto de Metrologia da Saúde da Universidade de Washington, que liderou o estudo, observa que grandes progressos foram realizados na saúde global, em particular na luta contra doenças infecciosas, como aids e malária. "Agora o desafio é investir em encontrar formas mais eficazes de prevenir ou tratar as principais causas de doenças e deficiências", diz.

A principal descoberta dos pesquisadores foi que, globalmente, a expectativa de vida subiu 6,2 anos – de 65,3 em 1990, para 71,5, em 2013, na média combinada de ambos os sexos. Para os homens, a expectativa passou para 68,8 anos e, para as mulheres, 74,3 anos.

No Brasil, a pesquisa revela que, a expectativa de vida aumentou 6,1 anos para os homens e 5,4 anos para as mulheres. Atualmente, a expectativa de vida das mulheres no Brasil supera a dos homens – 78,4 anos ante 71,6 anos, sendo a expectativa média de 75 anos.

Entre os 188 países pesquisados, o Brasil ficou na 49ª posição, abaixo da maioria dos desenvolvidos, incluindo Austrália, Espanha e Japão, e abaixo também de alguns países menos ricos, como Líbano e Sérvia.

Expectativa de vida saudável

O estudo, financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates, também publicou as chamadas estatísticas HALE (sigla em inglês para "expectativa de vida adulta saudável") para todos os países, que indicam o período de tempo que alguém pode esperar viver sem doença grave ou deficiência.

A pesquisa destacou o fato de que as mudanças no período de 23 anos variaram de país para país, mas que, na maioria dos casos, elas foram "significativas e positivas". No Brasil, a expectativa de vida saudável cresceu 4,9 anos para os homens e 4,4 anos para as mulheres.

As exceções foram Belize, Botsuana e Síria, onde a expectativa de vida saudável não teve nenhuma melhora perceptível. Em alguns países, incluindo África do Sul, Paraguai e Belarus, as perspectivas até pioraram.

No Lesoto e na Suazilândia, por exemplo, pessoas nascidas em 2013 podiam esperar viver cerca de 10 anos saudáveis a menos que as nascidas 20 anos antes. Países como a Nicarágua e Camboja, por outro lado, apresentaram grandes melhoras, em média de 14 anos.

O Lesoto apresenta a menor expectativa de vida saudável do mundo, de 42 anos. No outro extremo da escala, o Japão registrou a maior expectativa de vida adulta saudável, pouco mais de 73 anos de idade – e uma expectativa de vida de mais de 83 anos.

Ainda de acordo com o estudo, Cingapura, Andorra, Islândia, Chipre, Israel, França, Itália, Coreia do Sul e Canadá estão entre os outros países, depois do Japão, onde as pessoas podem esperar viver vidas mais longas e mais saudáveis. A expectativa de vida na Alemanha ficou em 80,6 anos, e a de vida saudável, em 68,8 anos.

MD/rtr/efe/abr

Leia mais