1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Excessos cometidos por PMs impulsionam debate sobre desmilitarização da polícia

Foco da ação policial deve estar na garantia dos direitos e na proteção de todos os cidadãos, argumentam especialistas. Segundo pesquisa, mais de 70% dos policiais apoiam desvinculação do Exército.

A repressão aos manifestantes nos protestos iniciados em junho do ano passado no Brasil e o elevado grau de incidentes violentos envolvendo a Polícia Militar fortaleceram as discussões sobre o fim do vínculo da corporação com as Forças Armadas.

A eliminação do caráter militar das polícias é defendida por especialistas como forma de tornar as corporações mais próximas da sociedade e dar a elas uma formação mais voltada para a proteção da cidadania. A proposta, que tramita no Congresso em ao menos três projetos de emenda constitucional, estabelece a redução de hierarquias e a interligação de carreiras.

A proposta mais adiantada e polêmica é a PEC 51/2013, de autoria do senador Lindbergh Farias (PT/RJ). O projeto prevê que todos os órgãos policiais sejam organizados em carreira única, e que os estados tenham autonomia para estruturar os próprios órgãos de segurança pública. A nova polícia faria tanto o trabalho ostensivo como a investigação, funções hoje atribuídas, respectivamente, às polícias militar e civil.

Para seus críticos, a Polícia Militar tem um erro fundamental: ao se orientar pela ideia de que um inimigo precisa ser eliminado, ela esquece que deve garantir os direitos de todos os cidadãos. "O policiamento deveria ser uma missão civil", argumenta o jurista Oscar Vilhena, da Fundação Getúlio Vargas. "Mas a função atribuída à polícia hoje é a preservação do 'Estado e da ordem', em detrimento dos direitos dos cidadãos."

Policiais a favor

Uma pesquisa feita pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o Ministério da Justiça, mostra que 73,7% dos policiais apoiam a desmilitarização. Entre os policiais militares, o índice sobe para 76,1%. O levantamento ouviu 21.101 policiais militares, civis, federais, rodoviários federais, bombeiros e peritos criminais de todo o país entre os dias 30 de junho e 18 de julho.

Sao Paolo Ausschreitungen 12.6.2014

Grau elevado de incidentes violentos envolvendo a Polícia Militar fortaleceram as discussões

Segundo Renato Sérgio de Lima, pesquisador da FGV e membro do fórum, a maioria dos entrevistados apontou a transição para o caráter civil e a integração das polícias em uma carreira única como caminhos para a modernização das corporações. "Eles identificam um limite no modelo atual. Os policiais apoiam o fim da Justiça Militar e a desvinculação do Exército para que o foco seja a proteção da sociedade, e não os interesses do Estado", afirma. "Isso não significa ausência de disciplina, hierarquia, uniformes e controle, elementos necessários em uma organização policial", ressalta.

O debate também passa pela revisão de regulamentos e procedimentos disciplinares, garantia à livre associação sindical, direito de greve e a submissão de processos criminais envolvendo policiais à Justiça comum.

Divergências

Apesar de haver apoio à desmilitarização, o estudo aponta que não há um consenso sobre como o modelo deveria ser implementado. A integração de duas polícias que hoje desempenham funções diferentes é o principal motivo de questionamento.

"Respeito quem é a favor da ideia, mas me pergunto: eu vou compor o que é hoje a Polícia Civil? Minhas garantias de salário e carreira serão mantidas? Sou soldado e vou virar agente? Vou fazer ciclo completo de polícia? Não é uma questão tão simples", questiona o comandante da Polícia Militar do Rio Grande do Norte, Francisco Canindé de Araújo Silva, há 30 anos na corporação.

Para a secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, será difícil encontrar um consenso. Ela ressalta que a forma como a desmilitarização é entendida por policiais pode ser diferente do que a sociedade espera da medida.

"Os policiais de base e a cúpula certamente enxergam de forma distinta a desmilitarização, e por diversas razões. Certamente até mesmo nas corporações não há consenso", afirmou durante o 8º Encontro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, realizado na última semana em São Paulo.

O coronel e jurista Sérgio Roberto de Abreu é cético em relação à criação de um pacto pela reforma das polícias. Ele argumenta que as corporações que tiveram o caráter militar acentuado durante a ditadura ainda estão vivenciando o processo de redemocratização. E a passos lentos.

"É fundamental que haja uma reforma política antes da realização de reformas institucionais", afirma. "É uma caminhada vagarosa e que encontra muros de resistência. As próprias instituições policiais não conseguiram se conformar e compreender o que é ser uma polícia democrática."

Formação

A reforma institucional passa por mudanças profundas no projeto educacional das corporações. Uma formação civil baseada em hierarquia e disciplina e voltada ao policiamento urbano é uma alternativa experimentada com sucesso em outros países.

O Exército Nacional costarriquenho, por exemplo, foi abolido em 1948. A Costa Rica não dispõe de armamentos pesados. As unidades regionais de polícia possuem programas de prevenção de delitos, que contam com a participação da população. Hoje, o país tem a menor taxa de homicídios da América Central (10 para 100 mil habitantes), abaixo da média de toda a América (15,4).

A Costa Rica tem menos habitantes que o estado de Santa Catarina. Pode servir como exemplo, mas não como o parâmetro para o Brasil. Mesmo assim, a busca de um modelo ideal ainda parece distante para os brasileiros.

A pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que, para 87,3% dos entrevistados, o trabalho policial precisa ser reorientado para a proteção dos direitos humanos e da cidadania. De acordo com eles, a corrupção é uma das maiores dificuldades a serem vencidas.

Para isso, o sociólogo Ignacio Cano, da Uerj, diz que é necessário acabar urgentemente com o que chama de regulamentos "extremamente autoritários que regem as forças policiais no Brasil". "As instituições de ensino policiais precisam ser integradas", defende.

O professor José Vicente Tavares dos Santos, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, visitou escolas policiais de 12 países e, com base na pesquisa, concluiu que o "ofício de polícia ainda não existe no Brasil".

"Existe uma tensão entre o treinamento policial – que alguns até chamam de adestramento – e a educação. O conceito de dignidade humana precisa ser central, e ainda não é. O foco deve ser a prevenção da criminalidade", afirma.

Ele elaborou uma lista com 20 reformas necessárias para a formação policial no Brasil. Entre elas está a criação de uma Escola Nacional de Segurança Cidadã e o fomento de parcerias entre academias e escolas de polícia com universidades.

Leia mais