Ex-presidente da Siemens é acusado de ordenar pagamento de suborno na Argentina | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 19.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Ex-presidente da Siemens é acusado de ordenar pagamento de suborno na Argentina

Depoimento de um diretor da Siemens envolve o ex-presidente da empresa Heinrich von Pierer num milionário esquema de corrupção na Argentina. Advogado nega acusações.

default

Pierer deixou a Siemens em abril de 2007 por causa do escândalo de corrupção

O ex-presidente da Siemens Heinrich von Pierer foi acusado por um alto diretor da empresa de estar envolvido no pagamento de um suborno milionário na Argentina, segundo reportagens publicadas em jornais e sites alemães neste sábado (19/04). Por meio de seu advogado, Pierer negou a acusação.

Em depoimento à Promotoria Pública de Munique na quarta-feira, um diretor da subsidiária Siemens Business Services (SBS) declarou ter sido pressionado, durante os anos de 2002 e 2003, a executar o pagamento de um suborno de 10 milhões de dólares. O dinheiro teria sido depositado na conta de uma empresa de consultoria na Suíça.

De acordo com o jornal Süddeutsche Zeitung e o site Spiegel Online, o suborno estaria relacionado a uma tentativa de reavivar um bilionário projeto de digitalização de documentos de identidade e passaportes do governo da Argentina. O contrato havia sido firmado em 1998, durante a presidência de Carlos Menem, e cancelado em 2001 pelo presidente Fernando de la Rúa.

Soldados da Siemens

O diretor da Siemens disse ter sido contra o pagamento do suborno. Em seu depoimento, afirmou ter discutido o assunto com Pierer durante uma reunião, da qual participara também um outro diretor. Os dois teriam exposto sua contrariedade ao então presidente da Siemens. Pierer teria então ordenado o pagamento e dito a ambos que deveriam se comportar "como soldados da Siemens".

A Promotoria Pública de Munique confirmou ter mantido uma "longa conversa" com Pierer e seu advogado nesta sexta-feira. A conversa teria sido solicitada por Pierer e continuará na próxima segunda-feira, segundo o promotor-geral Christian Schmidt-Sommerfeld.

A promotoria também confirmou ter recolhido evidências de que houve pagamento de suborno a representantes do governo argentino pela Siemens. De acordo com o Süddeutsche Zeitung , o valor pago durante o governo Menem pode chegar a 70 milhões de dólares.

Esta semana, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, disse que vai dispensar os serviços de Pierer, que é assessor do governo para assuntos de inovação tecnológica. Merkel disse que os serviços prestados pelo conselho presidido por Pierer ficarão sob responsabilidade da Academia de Ciências Técnicas de Munique e da Academia Alemã de Ciências de Halle.

Pierer foi presidente da Siemens entre 1993 e 2005 e presidente do conselho de administração da empresa de 2005 até abril de 2007, quando renunciou ao cargo devido ao escândalo de corrupção. A Siemens é investigada por corrupção na Alemanha e nos Estados Unidos. Já foram detectados pagamentos duvidosos em diversos segmentos da companhia. Somados, eles chegam a 1,3 bilhão de euros.

Leia mais