Ex-chefe do FMI pela primeira vez em Paris após acusações de estupro | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 04.09.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Ex-chefe do FMI pela primeira vez em Paris após acusações de estupro

O político Strauss-Kahn voltou dos Estados Unidos para casa, pela primeira vez em três meses. A recepção por seus ex-aliados políticos foi fria, e Strauss-Kahn ainda não está totalmente livre do caso.

default

Strauss-Kahn foi recebido por multidão de jornalistas

Dominique Strauss-Kahn retornou à França neste domingo (04/09) pela primeira vez desde que a acusação de abuso sexual feita por uma camareira levou a sua prisão em Nova York. O escândalo internacional decorrente frustrou as chances de o ex-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) chegar à presidência da França.

A promotoria de Nova York retirou as acusações contra ele na semana passada, por questionar a credibilidade da camareira. Mas o caso custou a Strauss-Kahn o cargo à frente do FMI e expôs sua vida pessoal ao escrutínio público. Com a imagem manchada, seu futuro político é cercado de incertezas.

Strauss-Kahn chegou ao aeroporto Charles de Gaulle às 7h da manhã com sua esposa, a famosa ex-apresentadora de TV Anne Sinclair. A polícia de choque foi chamada para escoltá-lo até seu apartamento, na chique Place de Vosges, no centro de Paris. Ele não deu declarações à imprensa, mas apenas sorriu e acenou para a multidão de jornalistas que foram esperar por sua chegada.

Recepção fria

Früherer Chef des Internationalen Währungsfonds Dominique Strauss-Kahn zurück in Paris

Sem dar declarações, casal Strauss-Kahn sorriu para as câmeras

A recepção por seus antigos aliados políticos, contudo, foi fria. Seus correligionários do Partido Socialista se distanciaram dele antes da sua chegada. Martine Aubry, que está entre os cinco candidatos do partido a nomeação para as eleições presidenciais, disse que "pensa da mesma forma que muitas mulheres" sobre o comportamento sexual de Strauss-Kahn.

O ex-primeiro-ministro francês Michel Rocard, membro do Partido Socialista, havia declarado que Strauss-Kahn – que há muito tempo tem reputação de ser um mulherengo compulsivo – "tem visivelmente um distúrbio mental" por sua "dificuldade em controlar seus instintos". Mais tarde, Rocard pediu desculpas pelo comentário.

Francois Hollande, que atualmente lidera o grupo de candidatos socialistas, referiu-se vagamente a um papel para Strauss-Kahn nas eleições, mas sem mencionar posições ministeriais. Uma pesquisa de opinião recente mostrou que dois terços dos eleitores não querem que o ex-chefe do FMI assuma nenhum cargo político, caso os socialistas vençam o pleito de abril de 2012.

Novos processos


Strauss-Kahn, de 62 anos, passou quase uma semana na prisão, outras seis semanas em prisão domiciliar e foi proibido de deixar os Estados Unidos até que a promotoria retirasse as acusações contra ele, sob a legação de que as mentiras de sua acusadora impediam de constatar a eventual culpa do francês para além de qualquer dúvida razoável.

A camareira do hotel que havia acusado Strauss-Kahn de estupro, a imigrante guineense Nafissatou Diallo, mudou sua versão dos fatos sobre a noite da agressão e havia mentido sobre um estupro anterior. Mas, mesmo com o fim do processo criminal, Strauss-Kahn ainda não está livre do caso, pois Diallo abriu um processo civil contra ele em Nova York, exigindo indenização.

Na França, a escritora Tristane Banon, de 32 anos, entrou com uma ação judicial, acusando o político de ter tentado estuprá-la em 2003. O ex-chefe do FMI disse que vai processar Banon por difamação, e que ela teria inventado a história para divulgar seus livros.

FF/afp/rtr/ap
Revisão: Augusto Valente

Leia mais