Europol alerta para novos ataques do EI na Europa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Europol alerta para novos ataques do EI na Europa

Agência europeia de polícia adverte que extremistas podem alterar táticas em novos atentados, por exemplo, utilizando carros-bomba. Dezenas de militantes já estariam em solo europeu.

Central da Europol em Haia

Relatório de 14 páginas da Europol traz uma atualização dos métodos e táticas utilizados pelo EI

A agência europeia de polícia Europol alertou que a organização extremista "Estado Islâmico" (EI) estaria alterando suas táticas para realizar novos atentados terroristas em países da União Europeia (UE).

Em relatório divulgado nesta sexta-feira (02/12), a Europol observou que os ataques perpetrados pelo EI em solo europeu ainda não envolveram "o uso de explosivos artesanais, comerciais ou militares em veículos". Na Síria e no Iraque, a organização já realizou diversos ataques utilizando carros-bomba.

"Atentando ao fato de que o modus operandi  empregado em países do Oriente Médio tende a ser copiado por terroristas na Europa [...], é concebível que grupos jihadistas utilizem esses meios em algum momento", diz o relatório. Dezenas de militantes já estariam em solo europeu e outros mais ainda devem se deslocar para o continente, enquanto o EI sofre uma série de derrotas no Iraque e na Síria.

A Europol ressalta que os perpetradores dos ataques terroristas de 13 de novembro de 2015 em Paris pretendiam utilizar carros-bomba, mas mudaram de planos devido à da ação da polícia. De resto, as formas mais prováveis de ataque seriam as utilizadas recentemente: tiros e homens-bomba, como em Paris e Bruxelas, ou esfaqueamentos e outros métodos adotados isoladamente por indivíduos radicalizados.

O relatório de 14 páginas traz uma atualização dos métodos e táticas utilizados pelo EI e aponta preocupações de especialistas com a possibilidade de a Líbia se tornar um "segundo trampolim para o 'Estado Islâmico', pós-Síria, para ataques na UE e Norte da África". O país norte-africano, assolado por conflitos internos, atravessa uma grave crise política desde a deposição do ditador Muammar Kadafi em 2011.

"Peritos estimam que o 'Estado Islâmico' poderá começar a planejar e levar a cabo ataques a partir da Líbia, se chegar ao fim a fase atual, em que [facções políticas rivais] estão sobretudo preocupadas em tomar território e eliminar os inimigos locais", diz a Europol. Segundo esta, em 2015 as forças de segurança da Europa prenderam 667 suspeitos de atividades terroristas.

RC/rtr/lusa

Leia mais