1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Europeus comemoram Nobel da Paz como reconhecimento aos esforços da UE

Em tempos de crise, premiação serve de estímulo aos países-membros, consideram políticos. Há 55 anos, UE contribui para a paz e a democracia dentro e fora do bloco. Mas a escolha também foi criticada.

Em meio à sua mais grave crise financeira, a União Europeia (UE) recebeu nesta sexta-feira (12/10) o Prêmio Nobel da Paz de 2012. Segundo o comitê do Nobel na Noruega, a integração europeia contribuiu para a paz, a reconciliação e a democracia no continente. A premiação provocou reações mundo afora, a maioria delas de aprovação.

O presidente do comitê do Nobel,Thorbjoern Jagland, destacou o papel da UE para o fim da hostilidade entre França e Alemanha. "Desde 1945, a reconciliação tornou-se uma realidade", e uma guerra entre os dois países seria hoje "impensável".

A integração europeia também ajudou a fortalecer a democracia na Espanha, em Portugal e na Grécia, após o fim de suas ditaduras militares, declarou o comitê. Outra contribuição para a paz foi a expansão para o Leste Europeu após o colapso da União Soviética. Hoje, a perspectiva de entrar para o bloco estimula países como Croácia, Sérvia, Montenegro e Turquia a fortalecerem sua democracia.

Herman van Rompuy, presidente do Conselho Europeu, e José Manuel Barroso, chefe da Comissão Europeia, elogiaram o "esforço de cada vez mais países europeus para a superação de guerras e separações, para juntos construírem um continente de paz e de prosperidade". "Mesmo nestes tempos difíceis, a UE permanece uma inspiração para países e povos em todo o mundo", destacou Barroso.

Reações positivas

EU Norwegen Friedensnobelpreis 2012 an EU Jose Manuel Barroso in Brüssel

Para Barroso, UE serve de inspiração para outros países mesmo em tempos difíceis

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, considerou o prêmio um encorajamento em tempos de crise. "O euro é mais do que uma moeda, porque o que importa é sempre a ideia da Europa como uma comunidade da paz e de valores."

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, também reconheceu o papel do prêmio no contexto da crise econômica. "A atribuição do Nobel da Paz à União Europeia nos faz lembrar que a UE é muito mais do que pacotes de resgate. O projeto comum europeu foi nossa resposta às incontáveis guerras e conflitos que retalharam o continente durante séculos. Hoje, 55 anos após a sua fundação, a UE representa a paz, a prosperidade e a liberdade."

Com suas bases lançadas em 1957, a UE vem se esforçando também fora de suas fronteiras para impedir conflitos. Com a Rússia, os EUA e a Organização das Nações Unidas, a UE forma o chamado Quarteto para o Oriente Médio. O bloco também possui missões militares em regiões de conflito, por exemplo.

Anders Fogh Rasmussen, secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), elogiou a atuação da UE em termos globais. "A União Europeia contribuiu para o avanço da paz, da democracia e dos direitos humanos em todo o continente e além dele."

Valéry Giscard d'Estaing, ex-presidente francês, elogiou o reconhecimento aos esforços da UE pela paz. O ex-chanceler federal alemão Helmut Kohl também considera a premiação um estímulo para seguir adiante no caminho de uma Europa unida. "Nós europeus temos hoje todos os motivos para nos sentirmos orgulhosos", disse.

"O Prêmio Nobel também é um sinal claro para aqueles na Europa que, fazendo referência a supostos interesses nacionais, colocam em risco o projeto europeu de união", ponderou o ex-ministro do Exterior alemão Hans-Dietrich Genscher.

Críticas ao prêmio

Finanzminister Wolfgang Schäuble

Schäuble: "O Nobel nos faz lembrar que a UE é muito mais do que pacotes de resgate"

Enquanto isso, a ativista russa de direitos humanos Ljudmila Alexejewa, cogitada para ganhar o Nobel da Paz deste ano, criticou a atribuição à UE. Ela é uma "organização enorme e bastante burocrática, e é claro o papel que o prêmio desempenhará em sua política futura: a meu ver, nenhum". "Eu teria achado melhor se um preso político no Irã tivesse recebido o prêmio, por exemplo."

Nigel Farage, presidente do Partido Independente do Reino Unido, que é contra o euro, também repudiou a escolha. "Isso mostra que os noruegueses realmente têm humor. A UE deveria receber o 'prêmio idiota pela paz', porque ela certamente não estabeleceu a prosperidade. A UE gerou pobreza e desemprego", criticou.

A UE não é a primeira organização a ser honrada com o Nobel da Paz. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha já foi agraciado três vezes, em 1917, 1944 e 1963. A ONU recebeu o prêmio em 2001, depois de diversas de suas suborganizações também terem sido reconhecidas. A Anistia Internacional, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e a ONG Médicos sem Fronteiras também já receberam a distinção.

O Nobel da Paz será entregue à UE no dia 10 de dezembro, o dia da morte do seu criador, Alfred Nobel. De acordo com seu testamento, o prêmio deve ser atribuído a quem mais contribuiu para a paz no ano anterior.

LPF/afp/rtr/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais