Europarlamento denuncia envolvimento de países da UE em detenções ilegais da CIA | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.02.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Europarlamento denuncia envolvimento de países da UE em detenções ilegais da CIA

Nova resolução adotada pelo Parlamento Europeu denuncia envolvimento de países-membros da União Européia na detenção ilegal e no transporte de prisioneiros pela CIA. Alemanha nega acusações.

default

Resolução exorta países europeus a 'prestarem assistência no apuramento da verdade'

O Parlamento Europeu aprovou resolução na qual denuncia o envolvimento de países-membros da União Européia no transporte e na detenção ilegal de prisioneiros pela CIA. Elogiada pela Anistia Internacional, a resolução foi aprovada com 334 votos favoráveis e 247 contrários nesta quinta-feira (19/02).

O Parlamento afirmou que diversos países do bloco "estiveram envolvidos ou cooperaram, ativa ou passivamente, com as autoridades norte-americanas" em atividades ilegais, advertindo que prisioneiros de Guantánamo foram detidos nos países-membros da UE ou, ao menos, transportados por via aérea sobre o território do bloco, com paradas na Europa em alguns casos.

Por isso, os países "têm uma certa cota de responsabilidade política, moral e legal pelo transporte e pela detenção de pessoas mantidas prisioneiras em Guantánamo e em centros de detenção secretos".

Alemanha nega acusações

De acordo com o relatório, Suécia, Bósnia-Herzegóvina, Reino Unido, Itália, Macedônia, Alemanha e Turquia foram "responsáveis, em diferentes níveis, (...) por violações dos direitos de determinadas pessoas". A Alemanha negou as acusações.

O Europarlamento acusa autoridades de alguns países da UE de ter até mesmo interrogado prisioneiros em Guantánamo e em outros centros de detenção, "legitimando assim a existência dessas instalações".

Sete outros países da UE – Polônia, Romênia, Espanha, Chipre, Irlanda, Portugal e Grécia – foram acusados de "conivência passiva ou ativa". De acordo com um relatório do Conselho da Europa de 2006, a Polônia e a Romênia podem até ter abrigado centros de detenção da CIA em seu território.

Fechar Guantánamo não basta

Guantánamo é amplamente criticada desde a sua criação, logo após os ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos. Uma semana após assumir o cargo, o presidente Barack Obama manifestou sua intenção de fechar a prisão na Baía de Guantánamo, em Cuba. No entanto, o Europarlamento critica que as ordens do presidente parecem não abordar plenamente as questão das detenções e capturas secretas e do uso da tortura.

A resolução adotada denuncia "a não-adoção, até o momento, de qualquer ação por parte dos Estados-membros" no sentido de clarificar sua participação na detenção e captura de acusados de terrorismo e instar os países europeus a "prestarem assistência no apuramento da verdade mediante a abertura de inquéritos ou a colaboração com os organismos competentes, a divulgação de todas as informações relevantes e garantindo a realização de um efetivo controle parlamentar das atividades dos serviços secretos".

Leia mais