1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Europa registra recorde de novas infecções por HIV

Em 2014, continente registra mais de 142 mil novos casos, o maior número desde a descoberta do vírus da aids, na década de 1980. Aumento de infecções ocorre principalmente em países da Europa Oriental.

A Europa registrou em 2014 o maior número de novos casos de infecções por HIV desde que o vírus da aids foi descoberto, na década de 1980, anunciaram nesta quinta-feira (26/11) a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC).

Mais de 142 mil novas infecções foram registradas no continente em 2014 – 60% delas na Rússia. Os 28 países membros da União Europeia (UE) mais Islândia, Liechtenstein e Noruega somaram 21% dos novos casos.

"Pedimos que os países europeus tomem medidas audaciosas e contenham a epidemia de uma vez por todas", afirmou Zsuzsanna Jakab, diretora regional para a Europa da OMS.

Em 2014, foram registrados no continente cerca de 5,7 mil casos do vírus da aids a mais do que no ano anterior. A Europa Oriental é onde a epidemia mais avançou. Enquanto entre 2005 e 2014, as infecções diminuíram 69% na parte ocidental do continente, na oriental, elas aumentaram 143%.

O relatório mostrou ainda um aumento preocupante no número de novas infecções entre homens homossexuais nos países da Europa Ocidental, passando dos 30% dos novos diagnósticos em 2013 para 42% em 2014. Já na Europa Oriental, a principal forma de infecção, em 66% dos novos casos, é a relação sexual entre heterossexuais.

O relatório mostrou também que duas em cada três novas infecções foram registradas em europeus nativos, e apenas um terço, em nascidos fora do continente.

Jakab recomendou que todos os países europeus ofereçam testes de HIV, serviços de prevenção e tratamento para todos os refugiados e migrantes independentemente de seu status legal. "Essa é a maneira mais segura de proteger a população do HIV", ressaltou.

O relatório reuniu dados de 53 países, incluindo Israel, Turquia e Rússia. Dados da Bósnia e Herzegovina, do Uzbequistão e do Turcomenistão não estavam disponíveis.

CN/dpa/afp/rtr

Leia mais