1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Europa questiona real eficácia de aplicar sanções à Rússia

Proibição de entrada no bloco europeu, bloqueio de contas, boicotes: não faltam ameaças contra Moscou por sua ingerência na Crimeia. Entre políticos e empresários cresce o ceticismo quanto à eficiência das medidas.

A União Europeia vai suspender momentaneamente as negociações com a Rússia sobre a facilitação da concessão de vistos, decidiram seus chefes de governo na cúpula extraordinária da última quinta-feira, em Bruxelas. E anunciaram preventivamente que, caso a Rússia se recuse a recuar na crise na Crimeia, novas medidas serão tomadas, incluindo até mesmo sanções econômicas.

A resposta do Kremlin não se fez esperar, anunciando que a Rússia vai reagir com contramedidas condizentes. Os Estados Unidos aumentaram a pressão, impondo proibições de ingresso em seu território e bloqueio de contas bancárias.

Em contrapartida, a Rússia cogita suspender as inspeções mútuas de armamentos. Também os telefonemas entre o presidente americano, Barack Obama, e os chefes de governo da UE no fim de semana trataram sobretudo de um tema: como fazer com que o presidente russo, Vladimir Putin, concorde com um grupo internacional de contato para a Ucrânia?

Dúvidas sobre próximo passo

Segundo a revista Der Spiegel, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, também pretende subordinar sua participação no encontro do G8 (grupo dos sete Estados mais industrializados e a Rússia) aos novos desdobramentos na Crimeia. Se em 16 de março for realizado o referendo sobre o futuro da península no Mar Negro – como anunciado pelo Kremlin –, Merkel não participará da conferência planejada para o início de junho, na cidade russa de Sochi.

O vice-presidente da bancada conservadora cristã do Parlamento alemão, Michael Fuchs, sugeriu outra forma de sanção no jornal Frankfurter Rundschau: colocar em questão a Rússia como sede da Copa do Mundo de 2018. No entanto, ele logo enfrentou a rejeição, por parte de social-democratas e esquerdistas, dessa forma de "diplomacia futebolística".

Enquanto as sanções prosseguem a todo vapor, aumentam as dúvidas quanto ao modo certo de lidar com a Rússia na crise da Crimeia. Até mesmo o presidente do Parlamento Europeu, o social-democrata alemão Martin Schulz, expressou dúvidas se esta é realmente a melhor maneira de forçar Putin à mesa de negociações.

EU Krisengipfel zu Ukraine 06.03.2014 Brüssel Merkel Holland Cameron Tusk Renzi

Cúpula da UE sobre a Ucrânia: "sançõezinhas", dizem os críticos

"Sançõezinhas" ou cautela justificada?

Em todo caso, em vez de uma advertência séria à Rússia, os críticos falam antes de "sançõezinhas". Num editorial, o jornal suíço Neue Zürcher Zeitung afirma que as sanções até agora impostas pela UE contra a Rússia seriam "mais brandas do que as medidas que a UE tomou contra a Suíça após o 'sim' à iniciativa contra a imigração em massa".

Por outro lado, há quem se preocupe que as sanções já aprovadas ou em cogitação endureçam ainda mais as frentes. Gregor Gysi, presidente da bancada parlamentar do A Esquerda no Parlamento alemão, disse não acreditar no efeito de sanções, mesmo se atingirem a economia russa.

"Talvez seja possível impressionar um parceiro fraco com sanções, mas não a Rússia. O país ainda tem a China do seu lado, isso não deve ser subestimado", disse Gysi em entrevista à emissora WDR. "Numa situação difícil assim, pode haver uma escalada mútua e um clamor por sanções, e então Putin vai vir com uma nova ameaça." Contudo, a UE não deve esquecer que também é dependente da Rússia no abastecimento de gás natural, alertou Gysi.

Laços econômicos estreitos

O empresariado alemão saúda a atitude cautelosa da UE. "Está correto procurar a distensão", disse Martin Wansleben, diretor da Confederação Alemã das Câmaras de Indústria e Comércio (DIHK), à emissora Deutschlandfunk.

Martin Wansleben

Wansleben saúda cautela europeia

"Não estamos nos comunicando somente com Putin e seu círculo mais próximo, mas com a Rússia como um todo. Acho que é sensato dizer: 'Somos capazes de agir, mas no final vamos estender a mão para o entendimento.'" Wansleben enfatiza, ainda, que parte das atuais sanções já teve efeito, indiretamente, na progressiva desvalorização do rublo russo e na queda das cotações na Bolsa de Valores de Moscou.

Wansleben e outros empresários concordam que, justamente para a Alemanha, as sanções não são uma boa alternativa, pois há investimentos bilionários em jogo. Em 2013, as transações entre a Alemanha e a Rússia chegaram a 76 bilhões de euros. Cerca de 6 mil firmas alemãs fazem negócios no país, dos quais 300 mil postos de trabalho dependem. Acrescentem-se as implicações no setor financeiro, uma vez que os bancos europeus têm investimentos de 180 bilhões de euros na Rússia.

Perigo para a virada energética alemã

O comissário europeu da Energia, Günther Oettinger, também desaconselha com veemência um acirramento nas relações com a Rússia. As sanções, "prejudicam a delicada recuperação da economia europeia", disse à revista Wirtschaftswoche^.

Symbolbild Russland Ukraine Gaslieferung

Segundo comissário europeu, virada energética não é realizável sem gás russo

Ele exortou aUE a buscar alternativas para o gás russo. De outra forma, também a reforma energética alemã estaria ameaçada, pois é dificilmente realizável sem usinas a gás, lembrou Oettinger. Mais de um terço das importações de gás alemãs provém da Rússia.

As estatísticas indicam que os alemães estão divididos quanto a se o Ocidente deve punir a ingerência da Rússia na crise da Ucrânia. Em pesquisa recente do instituto de opinião pública Emnid, 45% dos entrevistados disseram concordar com as sanções, 44% se manifestaram contra. As opiniões se definem mais no caso de as sanções acarretarem um aumento do preço da energia na Alemanha: aí, 54% preferem renunciar a uma ajuda à Ucrânia.

Leia mais