Europa quer ratificar Tratado de Lisboa apesar do não irlandês | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 14.06.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Europa quer ratificar Tratado de Lisboa apesar do não irlandês

Os Parlamentos de 15 países já ratificaram o Tratado Constitucional da UE. Documento ainda deverá passar pelo crivo parlamentar em mais oito. Mesmo após não irlandês, Europa quer continuidade do processo de ratificação.

default

Grande companha contra o Tratado Constitucional em Dublin

Na Alemanha, a maioria dos partidos políticos se mostraram decepcionados com a rejeição do Tratado Constitucional da União Européia pelos eleitores irlandeses. Na interpretação do presidente do Partido Social Democrata alemão, Kurt Beck, o resultado indica que as pessoas querem uma Europa mais social. Agora tudo dependeria de os Parlamentos nacionais ratificarem o documento. O Tratado de Lisboa ainda deve passar pelo crivo parlamentar de oito países-membros: Bélgica, Reino Unido, Itália, Holanda, República Tcheca, Espanha, Suécia e Chipre.

O presidente da União Social Cristã, Erwin Huber, também é da opinião de que o não dos irlandeses não elimina da ordem do dia a meta do Tratado de Lisboa, ou seja, tornar a UE mais ágil e próxima da população.

A continuidade do processo de ratificação também recebeu o apoio do presidente do Partido Liberal alemão, Guido Westerwelle. "É direito de qualquer país não fazer parte do sistema de integração europeu, mas o resto da Europa também tem o direito de prosseguir a integração sem esses países", declarou ele.

Para o líder da bancada esquerdista no Parlamento alemão, Gregor Gysi, o voto irlandês indica a impopularidade do tratado de reformas da UE. Se o documento fosse submetido a plebiscitos em todos os países, os governos seriam em grande maioria impedidos de aceitar o documento, opinou Gysi.

Obstáculo para a presidência francesa

Para a França, que assume a presidência rotativa da UE no segundo semestre deste ano, o não dos irlandeses ao Tratado Constitucional significa um entrave considerável. Numa declaração conjunta com a chanceler federal alemã, Angela Merkel, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, defendeu a continuidade do processo de ratificação do tratado, "a fim de que o incidente irlandês não desencadeie uma crise".

Além da Alemanha e da França, a maioria dos países europeus também defendeu a continuidade do processo de ratificação. Cético em relação ao processo de convergência europeu, o chefe de Estado da República Tcheca, Vaclac Klaus, foi o único a considerar o Tratado de Lisboa como "assunto encerrado".

Diante da improbabilidade de se implementar o tratado em 2009, como se planejava inicialmente, o presidente do Parlamento Europeu, Hans-Gert Pöttering, alertou que o processo de ampliação da União Européia terá que ser detido. "Com exceção da Croácia, talvez, não haverá nenhum outro ingresso à comunidade até o tratado entrar em vigor", explicou ele.

"Processo de integração complicado e não democrático"

A imprensa européia interpretou a negativa dos eleitores irlandeses como uma desconfiança fundamental em relação à UE e a suas instituições. Uma opinião propagada na imprensa européia foi sintetizada da seguinte forma pelo jornal holandês De Volkskrant:

"O reconhecimento das vantagens da cooperação econômica não significa automaticamente que os cidadãos não dêem valor a coisas como soberania e identidade nacional. Justamente porque a influência de Bruxelas já ultrapassa a economia, cresce o descontentamento com o processo de integração complicado e não democrático da Europa".

Leia mais