1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Europa quer diminuir distância dos Bálcãs

Os países balcânicos, dada sua diversidade étnica, poderiam tirar grande proveito de um bloco supranacional como a União Européia. Mas o caminho será longo.

default

Kosovo é um dos temas mais controversos das negociações

A expansão da União Européia para o leste do continente, iniciada com a integração de 10 países do antigo bloco socialista à comunidade, em 2004, poderia prosseguir com os países balcânicos.

No entanto, a incorporação dos Estados surgidos após o esfacelamento da antiga Iugoslávia e de seus vizinhos depende de múltiplos fatores.

Assimetria regional

O atual estágio de negociação com os países balcânicos é bastante heterogêneo. Com a Croácia, a UE já começou a negociar em outubro do ano passado, um avanço pressionado por intervenção da Áustria. A Macedônia também já pode se preparar para iniciar conversações semelhantes. Os demais países estão mais distantes de negociar seu ingresso na União Européia.

Com a Albânia, a UE pretende assinar em breve o chamado "acordo de associação e estabilização". Quanto a Sérvia-Montenegro e Bósnia-Herzegóvina, a UE ainda insiste no cumprimento das condições impostas.

Radovan Karadzic Kriegsverbrecher Serbien

Radovan Karadzic

No recente encontro dos ministros do Exterior, realizado em Bruxelas nesta segunda-feira (30/01), a União Européia voltou a exigir que a Sérvia-Montenegro e a Bósnia-Herzegóvina colaborem com o Tribunal Internacional de Haia para Crimes de Guerra na antiga Iugoslávia. Ambos os países foram novamente convocados a contribuir para localizar e incriminar acusados ainda desaparecidos, como Radovan Karadzic e Ratko Mladic.

Kosovo com status ainda indefinido

Kosovo Beerdigung von Ibrahim Rugova in Pristina

Velório do presidente do Kosovo, Ibrahim Rugova, em Pristina (26/01/2006)

A questão do futuro status do Kosovo – como Estado independente ou parte da Sérvia-Montenegro – ainda permanece aberta. Com a morte do presidente do Kosovo, Ibrahim Rugova, as negociações entre os dois lados foram adiadas.

Para impedir que o vácuo de poder gerado pela morte do líder leve a um retrocesso nas negociações, a comissão internacional encarregada do assunto e composta por representantes de países ocidentais, da Rússia e das Nações Unidas debateu o assunto nesta terça-feira (31/01), em Londres.

Na declaração do encontro, a comissão exigiu que o status da província sérvia predominantemente habitada por albaneses seja esclarecido até o fim do ano. No entanto, a Sérvia se mantém irredutível, reiterando que aceita a integridade territorial do Kosovo, mas rejeita sua independência.

Por enquanto, estreitamento de laços

Mesmo assim, a União Européia pretende se manter próxima desses países, com parcerias em vários níveis. Além de ter oferecido apoio a reformas econômicas e institucionais, a comunidade pretende incentivar a criação da zona de livre comércio regional, a fim de facilitar o comércio e os investimentos estrangeiros. Outra meta seria o ingresso dos países da região na Organização Mundial do Comércio (OMC).

A UE também se propôs a facilitar a viagem de cidadãos dos países balcânicos para a comunidade, simplificando o visto e baixando o preço das taxas. Estudantes e professores universitários da Macedônia deverão ser os primeiros a usufruir desta medida.

Áustria, uma aliada

Diante do impasse da Constituição européia, rejeitada nos plebiscitos da França e Holanda, muitos países não acham que a comunidade – que incorporou há menos de dois anos dez países novos – tenha condições de prosseguir o processo de expansão. No entanto, a agenda de negociações com os Bálcãs no primeiro semestre deste ano está repleta de compromissos.

Isso se deve à pressão da Áustria, atualmente na presidência rotativa da União Européia. No ano passado, Viena soube usar seu poder para pressionar o início das negociações com a Croácia, ameaçando – caso contrário – se opor à aceitação da Turquia como candidata, uma decisão que dependia de unanimidade.

O que leva a Áustria a se empenhar pela integração dos países balcânicos é tanto a proximidade regional e histórica como o interesse econômico na região. Além do passado histórico comum com os Bálcãs, a Áustria tem uma população estrangeira de 300 mil eslavos provindos do sul, dos quais a metade é sérvia. Durante a Guerra dos Bálcãs, o país recebeu 180 mil fugitivos de guerra da região.

Mais do que isso, a Áustria soube aproveitar as chances econômicas da desintegração da antiga Iugoslávia, de modo que empresas e investidores austríacos não tardaram a marcar presença na região.

Leia mais