1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Europa em compasso de espera após "não" da França

Justamente os franceses, importantes mentores da cooperação e integração da Europa, provocaram uma crise com seu "não" à Constituição da UE. Resultado negativo do plebiscito francês repercute em todos os países do bloco.

default

Recusa francesa à Constituição européia coloca UE em impasse

O veto dos franceses à nova Constituição da União Européia, no plebiscito de domingo (29/05), não significa o fim do processo de unificação da comunidade. Pelo menos é isso que tentam enfatizar as autoridades da UE e os políticos alemães.

O presidente da Comissão Européia, José Manuel Barroso, lamentou "a recusa de um país que foi um dos motores da idéia européia durante mais de 50 anos". O premiê de Luxemburgo e presidente do Conselho Europeu, Jean Claude Juncker, fez questão de ressaltar que isso não representa o fracasso do projeto constitucional da UE e anunciou que o processo de ratificação continua, conforme planejado.

Processo de ratificação continua

EU-Gipfel: Der luxemburgische Premierminister Jean Claude Juncker

Jean Claude Juncker

Afinal, nove países – inclusive a Alemanha – já oficializaram a adesão à Constituição européia e o prazo geral de ratificação só expira em novembro de 2006. Só então, ponderou Juncker, a comunidade precisará reavaliar a situação em um encontro de cúpula.

"Diante da continuidade do processo de ratificação e da conclusão de que não poderá haver uma renegociação, a minha esperança é que a França se envolva no debate junto com os demais países, a fim de reforçar os pontos em comum que estimulam a Europa", declarou Juncker.

O chanceler federal alemão, Gerhard Schröder, e o ministro do Exterior, Joschka Fischer, lamentaram o "não" dos franceses à Constituição européia, mas mostraram respeito à decisão democrática. "O resultado do plebiscito não representa o fim do processo constitucional, nem o fim da parceria franco-alemã na e pela Europa", declarou Schröder.

O premiê alemão não se pronunciou sobre possíveis razões do "não" francês, pois considera o encontro de cúpula da UE em meados de junho o momento adequado para discutir a questão.

Entre soberania nacional e democracia de base

Günter Verheugen EU Türkei

Günter Verheugen

Para o comissário europeu da Indústria, o social-democrata alemão Günter Verheugen, após o término do processo de ratificação, os países contrários à Constituição européia deveriam sugerir possíveis soluções ao impasse. Para Verheugen, o importante é respeitar a soberania nacional e as decisões democráticas dos países da comunidade, em vez de tentar impor de fora como eles devem se comportar.

O deputado Reinhard Bütikofer, um dos presidentes do Partido Verde alemão, sugeriu que seja realizado um plebiscito geral sobre a Constituição européia. Isso poderia evitar a influência de questões políticas internas dos países-membros sobre o processo de unificação da Europa. "Seria uma boa idéia realizar um plebiscito geral concomitante em todos os países europeus, a fim de que a questão a ser votada seja realmente a Europa", comentou Bütikofer.

O "'não' dos gauleses" na imprensa européia

Jacques Chirac wirbt für EU Verfassung

Jacques Chirac: apelos vãos pela Constituição européia

Os jornais europeus deram diferentes enfoques à rejeição da Constituição européia na França. Para o diário parisiense Libération, o voto popular desmascarou a União Européia como um quartel-general do ultraliberalismo e a falta de prestígio de uma classe de políticos franceses acostumados a enterrar a cabeça como avestruzes.

O diário conservador francês Le Figaro também anunciou o fim da era Chirac e perguntou até quando a França poderá se opor aos avanços do mundo industrializado e continuar defendendo um modelo social incapaz de questionar seus próprios privilégios.

O diário britânico conservador The Times interpretou o "não" dos franceses como uma reação ao pretenso fracasso da união monetária da UE, que "até agora só ocasionou um desenvolvimento econômico lamentável, desemprego em massa, o refortalecimento do protecionismo e uma atmosfera propícia para extremistas".

O jornal liberal de esquerda The Independent, também de Londres, considera uma ironia o fato de serem justamente os franceses, os principais mentores do processo de unificação européia, a vetar a Constituição comum.

O jornal suíço Neue Zürcher Zeitung ironiza o resultado do plebiscito como "revolta na aldeia dos gauleses" e prevê uma ampla discussão européia sobre o sentido dos plebiscitos. O La Repubblica, de Roma, considera a crise desencadeada pelo veto francês a mais grave em aproximadamente 50 anos de União Européia.

Para o Tagesspiegel, de Berlim, o diagnóstico realista após o "fiasco do referendo" na França é: "A Constituição européia está morta. (...) Respeitar o voto dos franceses só pode significar o fim do processo de ratificação e declarar a morte da Constituição. Continuar a ratificação só fortaleceria o sentimento de impotência diante de um projeto, o que contribuiu para o clima antieuropeu na França".

Leia mais