1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eurocopa

Eurocopa 2012: entre política e esporte

Críticas à situação dos direitos humanos na Ucrânia, coanfitriã da UEFA Euro 2012, dominaram os jornais na contagem regressiva para o torneio. Espanha e Alemanha são principais favoritas este ano.

É a primeira vez em 36 anos que a Eurocopa volta a se realizar no Leste da Europa. A última vez foi em 1976, quando os melhores times de futebol do continente competiram pelo título na Iugoslávia.

Mas o futebol não é o único tema, quando se fala sobre o torneio da UEFA na Polônia e na Ucrânia. Nos últimos meses, o esporte ficou muitas vezes à sombra da política. A detenção da líder da oposição ucraniana, Yulia Tymoshenko, por alegações de abuso de poder enquanto primeira-ministra, dominou as manchetes dos jornais.

Muitos líderes políticos europeus, entre eles o novo presidente francês, François Hollande, não vão viajar para a Ucrânia em protesto contra as violações dos direitos humanos no país. "Amo futebol, mas o que se passa na Ucrânia é um problema", disse Hollande.

Custos explosivos

Ao entregar a realização da Euro 2012 a um Estado da antiga União Soviética, a União das Federações Europeias de Futebol (UEFA) esperava acelerar a democratização do país. Mas a Ucrânia tornou-se um caso problemático, não só no que diz respeito à política.

A UEFA ameaçou retirar a Eurocopa do país várias vezes, devido à lentidão dos preparativos. Além disso, os custos explodiram. Economistas preveem que a Ucrânia saia do torneio com um saldo negativo de bilhões de euros. As perspectivas para a coanfitriã, a Polônia, são bastante melhores, ainda que tenham diminuído as esperanças de um boom econômico depois da Eurocopa.

Promoção para a Euro em Kharkiv, Ucrânia

Promoção para a Euro em Kharkiv, Ucrânia

Espanha e Alemanha são favoritas

Em nível esportivo, os países anfitriões não estão entre os times favoritos ao título europeu. Tanto a equipe polaca como a ucraniana já ficariam contentes se passassem além da primeira rodada do torneio.

A Espanha e a Alemanha são novamente apontadas como favoritas. A equipe espanhola, atual campeã europeia e mundial, dominou o futebol nos últimos anos e lidera os rankings mundiais com margem de vantagem. Ainda assim, estarão ausentes dois jogadores fundamentais: o zagueiro Carles Puyol e o atacante David Villa não vão poder jogar devido a lesões.

A Alemanha é o time mais jovem da UEFA Euro 2012, com uma média etária de 24,4 anos. A maior parte dos comentadores diz que o time tem mais vantagens que a Espanha – ainda que os últimos jogos de preparação tenham passado outra ideia. "Definitivamente, não creio que haverá falhas", disse o treinador da equipe alemã Joachim Löw. A Alemanha não vence a Eurocopa desde 1996.

Time alemão (de camiseta branca) está entre favoritos

Time alemão (de camiseta branca) está entre favoritos

No entanto, uma vitória alemã não será fácil. O time vai enfrentar logo na primeira rodada vários ossos duros de roer: Portugal, Holanda (vice-campeã mundial) e Dinamarca. Muitos olham também para a Holanda como possível vencedora da Euro. Neste segundo grupo de favoritos estão também a França e a Itália. Ambas as equipes se recuperaram do mau desempenho na primeira rodada da Copa do Mundo de 2010. A França está incansável: já não perde há 20 jogos. Também a Inglaterra poderá ter algo a dizer na hora da entrega do título.

O jogo de abertura entre os anfitriões da Polônia e a Grécia transcorrerá esta sexta-feira (08/06) na capital Varsóvia. A final se realiza em 1º de julho em Kiev, capital da Ucrânia. Também haverá jogos em Danzig, Breslau e Posen, na Polônia, bem como em Donetsk, Kharkiv e Lviv na Ucrânia.

Grande dispositivo policial

Ambos os países anfitriões estão bastante preocupados com a questão segurança. A Polônia anunciou controles apertados nas fronteiras. Os hooligans deverão ser interceptados logo à entrada no país. Cerca de 10 mil agentes de segurança estarão de serviço durante a Eurocopa.

A Ucrânia terá 7 mil oficiais vigiando as grandes cidades nos dias dos jogos. O governo em Kiev sublinhou que não haverá qualquer tolerância para infratores violentos.

A organização internacional de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional aponta que as forças de segurança ucranianas ultrapassam com frequência os limites legais, ao intervir mais duramente – não só contra elementos da oposição, mas também contra torcedores de futebol.

Autor: Stefan Nestler (gcs)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais