1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Euro supervalorizado gera pressão sobre BCE

Os recordes cada vez mais freqüentes na cotação da moeda européia preocupam políticos, empresários e economistas dos institutos de pesquisa econômica. O Banco Central Europeu se vê pressionado a intervir.

default

Alta preocupa Jean-Claude Trichet, presidente do BCE

O Banco Central Europeu (BCE) se vê confrontado com pressões cada vez mais freqüentes de políticos e instituições, no sentido de uma intervenção no mercado financeiro para forçar uma queda da cotação do euro. O tema já ocupou chefes de governo, ministros, empresários e peritos de diversos institutos de pesquisa econômica nas últimas semanas.

A despeito de todas as pressões, o presidente do BCE, o francês Jean-Claude Trichet, mantém-se até agora firme na sua posição, provando sua independência como guardião da estabilidade da moeda conjunta de 12 países da União Européia. A tão reclamada intervenção no mercado financeiro ocorreria através de uma redução da taxa de refinanciamento bancário.

Tal decisão, no entanto, só será tomada, eventualmente, durante a reunião do Conselho do BCE na primeira quinta-feira de fevereiro próximo. Antes disso, tudo permanecerá como está. E ninguém pode prever com certeza que os juros realmente serão rebaixados. Tudo dependerá da avaliação geral da economia européia, feita pelos próprios economistas do BCE.

Predisposição do BCE

O economista-chefe do Banco Mundial, François Bourguignon, manifestou na última segunda-feira a convicção de que o Banco Central Europeu se verá obrigado a uma redução da taxa de juros, caso a cotação do euro chegue perto de 1,40 dólar. Uma predisposição do BCE nesse sentido pode ser constatada, a seu ver, em recentes declarações de Jean-Claude Trichet, revelando sua preocupação com a supervalorização do euro.

Também o conselho dos ministros de Economia e de Finanças da União Européia (EcoFin) tratou da questão na sua reunião do início desta semana em Bruxelas. Até agora, a União Européia sempre defendera oficialmente a opinião de que a cotação do euro reflete seu valor real, não havendo necessidade de uma intervenção do BCE.

Desta vez, no entanto, as manifestações dos ministros do EcoFin revelaram preocupação real. O mais incisivo foi o ministro belga das Finanças, Didier Reynders. Ele expressou a opinião de que a supervalorização do euro tem de ter um limite: a cotação de 1,30 dólar. A partir daí, afirmou, é indispensável uma intervenção do Banco Central Europeu.

Compra de dólares

O limite citado pelo ministro belga é até mesmo muito elevado em comparação com a estratégia sugerida pelo presidente do Instituto de Pesquisa Econômica (Ifo) de Munique, Hans-Werner Sinn. Para ele, a cotação do euro tem de ser mantida entre 1,07 e 1,20 dólar, a fim de que a conjuntura econômica européia não sofra efeitos negativos. Sinn conclamou o BCE a uma imediata intervenção no mercado financeiro.

O presidente do Ifo considera, contudo, a compra de dólares por parte do Banco Central Europeu como o instrumento mais eficaz para regular a cotação da moeda européia no momento. Uma redução dos juros de refinanciamento bancário viria muito tarde e não seria positiva numa fase em que a conjuntura econômica começa a ganhar um novo impulso.

Hans-Werner Sinn deixou claro que a supervalorização do euro tem uma clara influência negativa na evolução dos negócios na Alemanha. A atual situação da moeda européia se refletirá claramente nos prognósticos do desenvolvimento conjuntural alemão no segundo trimestre deste ano.

Leia mais

Links externos