1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Euro causa menos inflação que marco alemão

Pesquisa prova que inflação alemã desde introdução do euro é menor que a dos 2,5 anos antes da moeda comum. Embora a realidade nos supermercados pareça outra, há produtos até mais baratos que nos tempos do marco.

default

Consumidor tem a impressão de que a vida ficou mais cara com o euro

O Departamento Federal de Estatísticas divulgou nesta terça-feira (27/07) um estudo difícil de ser compreendido pelo consumidor. Desde a introdução do euro, em 1º janeiro de 2002, até meados de 2004, o custo de vida na Alemanha aumentou 3,3%. Já nos últimos 2,5 anos do marco alemão, a inflação alemã havia atingido 4,3%.

"A impressão generalizada de que o euro encareceu drasticamente o custo de vida não pode ser confirmada", assinalou o relatório dos estatísticos. Parecendo contra-senso, os números revelam que produtos alimentícios e bebidas não alcoólicas ficaram apenas 1,1% mais caros em relação ao final de 2001. Mas, nos dois anos e meio antes da introdução do euro, eles haviam encarecido 3%. Os psicólogos justificam a impressão dos consumidores alegando que as pessoas só têm presente os aumentos substanciais, mas esquecem-se de que a maioria dos produtos manteve o mesmo preço.

Confrontado com as constatações diárias de que mudou apenas o símbolo diante do preço — tem-se a impressão de que os números ficaram os mesmos —, o consumidor se questiona se os preços não aumentaram pouco antes da chegada do euro, invalidando em parte esta pesquisa. Esta teoria pode ser comprovada com o exemplo da carne.

Alguns produtos diminuíram de preço

Fleisch- und Wurstabteilung in einem Supermarkt

Carne e derivados tinham encarecido com BSE e febre aftosa, mas preço voltou a baixar

Carnes, laticínios e ovos até ficaram mais baratos. As carnes e seus derivados, por exemplo, estão 2,9% mais baratos desde dezembro de 2001. Por outro lado, os autores do estudo advertem que seu preço havia aumentado em 9,2% pouco antes da introdução do euro, devido às crises com a síndrome da vaca louca (BSE) e da febre aftosa.

Os principais aumentos registrados desde o início de 2002 foram de preços de produtos à base de tabaco, que encareceram 29,2% (6,7% no período anterior) por questões de tributação, e dos produtos para a saúde (20%), cuja alta foi motivada pelas reformas no sistema alemão de saúde.

No setor de prestação de serviços, verificaram-se aumentos mais significativos, seja na lavagem do carro (de 3,9% para 6,4%), seja no preço do ingresso nos estádios de futebol (7,2% para 14,9%). Quanto ao preço de um pernoite em hotel, com café da manhã, esta relação é de 2,8% de aumento no final dos tempos do marco para 5,6% desde a introdução do euro. O que subiu menos foi o preço do ingresso do cinema (de 5,5% para 4,6%).

Honig

Mel, um dos produtos que mais subiu com o euro

Nos primeiros meses de circulação do euro, houve produtos cujo preço chegou a subir 98%, caso da alface, por causa de uma onda de frio incomum no sul da Europa, importante centro produtor de hortifrutigranjeiros para o mercado alemão. Até meados de 2002, entretanto, os preços voltaram a se estabilizar, segundo o Departamento Federal de Estatísticas. Hoje em dia, lacticínios e ovos são 1,9% mais baratos que nos tempos do marco. Em compensação, o mel subiu 31,5% e a barra de chocolate, 12%.

Leia mais