1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA vão enviar armas pesadas para o Leste Europeu

Em meio à crescente tensão com a Rússia, secretário da Defesa afirma que armamento vai circular entre Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia e será usado para treinamento e exercícios militares.

Os Estados Unidos anunciaram nesta terça-feira (23/06) que vão enviar armas pesadas, incluindo tanques e veículos blindados, para seis países da Europa Central e do Leste Europeu. São eles Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia.

O anúncio foi feito em Tallinn, a capital da Estônia, pelo secretário de Defesa Ashton Carter, ao lado de ministros da Defesa da Estônia, da Letônia e da Lituânia. "Não procuramos uma guerra fria e muito menos quente com a Rússia, mas vamos defender nossos aliados", disse Carter.

Esta é a primeira vez que armas pesadas americanas serão deslocadas para países que pertenciam à esfera de influência da antiga União Soviética e que posteriormente aderiram à Otan. Serão distribuídos 250 tanques, veículos de combate blindados, armas de artilharia e outros equipamentos militares.

Segundo Carter, o material vai circular na região e será usado para treinamento e exercícios militares. "Eles [os equipamentos] não são estáticos. A finalidade é permitir uma melhor formação e maior mobilidade às forças na Europa", disse Carter. A embaixada dos EUA em Varsóvia afirmou que o deslocamento é temporário.

USA Estland Ash Carter PK in Talin

O secretário de Defesa Ashton Carter

Nesta segunda-feira, Ashton anunciara que os Estados Unidos contribuirão com armamentos, aeronaves e pessoal para a nova força de reação rápida da Otan, destinada a ajudar a Europa a reagir contra possíveis avanços territoriais da Rússia, pelo Leste, ou contra grupos terroristas, como o "Estado Islâmico" (EI), pelo sul.

Em Berlim, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou nesta segunda-feira que a Otan vai duplicar a dimensão da sua força de reação rápida para 30 mil ou até 40 mil soldados, mais do que o dobro do tamanho atual.

O governo norte-americano também vai ajudar o Centro de Cooperação de Defesa Cibernética da Otan em Tallin, na Estônia, a desenvolver estratégias de proteção contra ataques virtuais.

Os anúncios foram feitos em meio a um clima de crescente tensão entre os países ocidentais e a Rússia, por causa da anexação da Crimeia e o conflito no leste da Ucrânia. Países do Leste Europeu temem possíveis avanços territoriais da Rússia.

Os ministros da Defesa dos 28 países-membros da Otan se reúnem nesta quarta-feira em Bruxelas para discutir formas de lidar com os desafios da segurança internacional.

KG/ap/afp/lusa

Leia mais