1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA tiram brasileiro do controle de armas químicas

O diretor-geral da Organização para Proscrição de Armas Químicas (Opaq), o brasileiro José Maurício Bustani, foi destituído do cargo que ocupava desde 1997, em conseqüência de uma manobra dos Estados Unidos.

default

José Mauricio Bustani na frente de um poster do ex-presidente Juscelino Kubitschek.

Numa sessão especial a portas fechadas, na central da organização da ONU, em Haia, na noite desta segunda-feira (22), os representantes de 48 países aprovaram a demissão do diplomata de 59 anos. Só sete países rejeitaram o requerimento de Washington e outros 43 abstiveram-se de votar. Mas isto não conta. Nas regras da organização, basta alcançar a maioria de dois terços necessários para aprovar um requerimento.

O motivo oficial alegado pelos EUA para afastar Bustani foi má administração, mas na realidade ele era um obstáculo para a política do governo do presidente George W. Bush para o Iraque. O diplomata defendia a adesão de Bagdá à Opaq e tentava convencer o regime de Saddam Hussein a permitir o acesso da ONU para inspecionar o seu programa de armas químicas.

Onze países da União Européia apoiaram o requerimento que destituiu o diplomata brasileiro, entre eles a Alemanha. A França foi o único grande contribuinte da Opaq que votou contra.

A destituição de Bustani tem efeito imediato e ele será substituído pelo vice-diretor-geral da Opaq, o australiano John Gree, interinamente, até a nomeação de um novo diretor-geral. Ainda não há indicação de um nome para o cargo. O embaixador americano na organização, Donald Mahley, argumentou, na sessão iniciada domingo à noite, que Bustani seria uma ameaça à convenção contra a propagação de armas químicas.

Bustani rechaçou as acusações levantadas contra ele na reunião, destacando que se esforçara por um tratamento igualitário e leal para todos os países-membros da Opaq, mas fora mal interpretado por ter tentado convencer o Iraque a aderir à organização e se empenhado pela proteção de todos os Estados-membros também contra ataques terroristas com armas químicas. Com sede em Haia, na Holanda, a Opaq deve controlar se os 145 países-membros respeitam a convenção de 1997 contra armas químicas, segundo a qual este tipo de armas deve ser destruído dentro de dez anos. Não pertencem à organização países como o Iraque, Líbia, Coréia do Norte e Síria, que são suspeitos de produzir armas de destruição em massa,

Os Estados Unidos acusam o Iraque de formar o "eixo do mal" junto com o Irã e Coréia do Norte e ameaçam especialmente o Iraque com uma intervenção militar nos moldes da que derrubou o regime talibã no Afeganistão e prossegue no combate a remanescentes da organização Al Qaeda do terrorista saudita Osama Bin Laden.