1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA tentam rastrear pessoas que tiveram contato com infectado por ebola

Autoridades de saúde já monitoram 12 possíveis casos de contágio e garantem que vírus não vai se espalhar. Paciente, que está em estado grave, contraiu doença na Libéria e chegou ao Texas em voo com escala em Bruxelas.

default

O hospital no Texas onde o homem infectado segue internado

As autoridades de saúde americanas estão monitorando 12 das 18 pessoas que tiveram contato com o homem diagnosticado na terça-feira (01/10) como o primeiro caso de ebola dos Estados Unidos.

O paciente, que não teve a identidade revelada, entrou nos EUA em um voo a partir da Libéria – onde contraiu o vírus – com escala em Bruxelas. Por ele só ter apresentado sintomas da doença em solo americano, as autoridades descartam que outros passageiros tenham sido infectados.

O presidente Barack Obama mobilizou uma série de esforços para tentar diminuir o risco de casos adicionais de ebola. Ele se reuniu com Thomas Frieden, diretor dos Centros de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA (CDC).

"O presidente e Frieden falaram dos rígidos protocolos com os quais o paciente está sendo tratado, assim como sobre os esforços atuais para rastrear os contatos do paciente a fim de diminuir o risco de casos adicionais", afirma uma nota da Casa Branca.

USA - Ebola

Thomas Frieden, diretor dos Centros de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA

Todos os enfermeiros e médicos que tiveram contato com o infectado fizeram testes, que deram negativo para ebola. Segundo o governador do Texas, Rick Perry, o paciente teve contato com algumas crianças, mas os riscos de que as tenha contaminado é baixo.

Tratado num hospital no Texas, o paciente infectado está em estado grave. Ele chegou aos EUA em 20 de setembro e foi internado no domingo (28/09), cinco dias depois de os sintomas começarem a se manifestar.

Esse é o primeiro paciente diagnosticado com ebola nos EUA, embora outros quatro já tenham sido tratados no país – três deles se recuperaram completamente e outro segue internado, sem que haja detalhes, porém, de seu estado de saúde.

Até o momento, o vírus já causou a morte de mais de 3.300 pessoas em Serra Leoa, Libéria, Nigéria, Guiné e Senegal, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

RPR/rtr/ap

Leia mais