EUA sugerem que caças russos atingiram comboio na Síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 21.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA sugerem que caças russos atingiram comboio na Síria

Dois jatos russos sobrevoaram área onde caminhões foram atacados, afirma governo americano. Rússia nega envolvimento e diz que veículos foram destruídos por incêndio no terreno.

default

Caminhão de ajuda humanitária que foi destruído perto da cidade de Uram al-Kubra, na região de Aleppo

Os Estados Unidos afirmaram nesta terça-feira (20/09) que dois caças-bombardeiros SU-24, da força aérea russa, sobrevoavam a área onde um comboio de ajuda humanitária das Nações Unidas e do Crescente Vermelho foi atacado, na região de Aleppo, na Síria.

"A melhor avaliação que temos é que os russos executaram o ataque", afirmou um funcionário do governo americano, sob anonimato, à agência de notícias AFP. Cerca de 20 pessoas morreram no ataque, que atingiu 18 de 31 caminhões de um comboio humanitário nas proximidades da cidade de Urum al-Kubra. Entre as vítimas está o chefe do Crescente Vermelho para a região de Aleppo.

Antes, o Ministério da Defesa da Rússia havia negado enfaticamente que aeronaves russas ou sírias tenham atacado o comboio e afirmou que os caminhões foram destruídos por um incêndio, que "misteriosamente começou de forma simultânea com a ofensiva das milícias sobre Aleppo".

O porta-voz do Ministério russo da Defesa, Igor Konashenkov, insinuou que os rebeldes seriam responsáveis pela destruição da ajuda humanitária. "Toda informação sobre a localização do comboio estava disponível apenas aos militantes que controlam essas áreas", disse.

"Não há sinais de cratera e os automóveis também não apresentam danos no chassi como resultado de um choque explosivo", afirmou Konashenkov, reiterando que o comboio não sofreu nenhum ataque aéreo.

Porém, o assessor de segurança nacional da Casa Branca, Ben Rhodes, afirmou que se trata de um ataque aéreo. "Toda a informação que temos indica claramente que isso foi um ataque aéreo, o que significa que há somente duas entidades que podem ser responsáveis: o regime sírio ou o governo russo", ressaltou.

"De uma forma ou de outra, consideramos a Rússia responsável por ataques aéreos nessa área", disse Rhodes, argumentando que, de acordo com o plano de cessar-fogo, é tarefa da Rússia impedir que o regime sírio execute ataque aéreos contra comboios humanitários.

AS/rtr/afp/lusa/ap/dpa

Leia mais