1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA se aproximam da Europa na questão climática

Em seu encontro de cúpula em Washington, União Européia e Estados Unidos reconhecem sua responsabilidade na questão climática e a necessidade de se criar uma "política global imediata" para conter o aquecimento global.

default

Clima à sombra de acordos econômicos

Durante o encontro de cúpula entre a União Européia e os Estados Unidos nesta segunda-feira (30/04) em Washington, as duas maiores potências econômicas do mundo reconheceram sua responsabilidade conjunta pela proteção ao meio ambiente, admitindo que "uma política global imediata" é essencial para conter o desenvolvimento negativo do clima mundial.

Após difíceis negociações ao longo dos últimos dois meses, a chanceler federal alemã Angela Merkel, o presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso, e o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, devem assinar o documento ainda hoje, juntamente com um acordo estratégico sem precedentes, para incentivar o comércio transatlântico.

No documento, UE e EUA reconhecem o problema do clima como "um desafio global à comunidade internacional" e se comprometem a "fazer o melhor possível para estabilizar a emissão de gases poluente,s de modo a evitar perigosas mudanças climáticas causadas pelo homem".

Sem percentagens concretas

Embora não tenha sido fixada nenhuma percentagem concreta para a emissão de gases poluentes, políticos alemães vêem aí um avanço substancial da posição dos Estados Unidos, já que, pela primeira vez, o governo estadunidense admite em público que o aquecimento global é causado pelo homem, reconhecendo oficialmente o trabalho do Conselho sobre Mudanças Climáticas da ONU e a necessidade de gerenciar a crise no âmbito internacional.

Além disso, ambas as partes concordaram em estreitar cooperações durante conferências internacionais. Espera-se agora que o acordo seja um ponto de partida para negociações mais concretas no próximo encontro de cúpula dos países do G8 em Heiligendamm, em junho, e durante a Conferência da ONU, em dezembro, na Indonésia, podendo levar à formulação de um novo acordo, em substituição ao Protocolo de Kyoto.

Energia atômica continua sendo alternativa

Europa e EUA manifestaram também a intenção de desenvolver e empregar tecnologias energéticas limpas que "alteram a maneira como fornecemos energia a nossas casas, nossa economia e nossos veículos".

No entanto, o acordo admite o uso de energia atômica como alternativa para reduzir a emissão de CO2 e garantir a segurança energética nos países "que escolherem esta opção". Para assegurar ainda mais o fornecimento de energia, o acordo prevê cooperações internacionais destinadas a promover o melhor aproveitamento possível das diversas formas de produção energética e a utilização eficiente de energias renováveis. (rr)

Leia mais