1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA recebem segundo paciente com ebola

Missionária que trabalhava na Libéria será tratada em hospital de Atlanta junto com outro colega infectado. Banco Mundial anuncia ajuda de 200 milhões de dólares para países no oeste da África.

Uma americana que contraiu o vírus ebola enquanto trabalhava no oeste da África deve chegar nesta terça-feira (05/08) em Atlanta para receber tratamento.

A missionária Nancy Writebol, de 59 anos, será levada ao Hospital Universitário Emory, mesmo local onde está internado o médico Kent Brantly, de 33 anos, que também contraiu o vírus. Os dois pacientes são os primeiros casos de ebola a serem tratados nos EUA.

Nancy e Brantly estavam na Monróvia, na Libéria, fazendo serviço humanitário em uma operação coordenada por dois grupos cristãos – SIM USA e Samaritan's Purse. Ambos apresentaram uma melhora na saúde depois de receberem uma dose de uma droga experimental testada antes apenas em macacos.

"Nancy recebeu sua segunda dose hoje, mas aparentemente [a droga] não teve o mesmo impacto que teve em Kent", disse o presidente da SIM USA, Bruce Johnson. "Essa doença pode deixar o corpo realmente enfraquecido, e Kent é bem mais jovem que Nancy. Assim, estamos apenas gratos e cautelosamente otimistas sobre a situação dela agora."

Dr. Kent Brantly

Kent Brantly: médico de 33 anos foi infectado por vírus

Os dois missionários não puderam deixar a Libéria juntos, já que o avião equipado para transportar pacientes só pode levar um passageiro por vez.

A chegada de Nancy aos EUA coincide com um anúncio feito pelo Banco Mundial de enviar 200 milhões de dólares em ajuda de emergência para os países afetados pelo vírus.

"A comunidade internacional deve agir rápido para que a epidemia do ebola seja freada", disse o presidente da instituição, Yong Kim, em Washington.

Os fundos serão destinados a Guiné, Libéria e Serra Leoa para controlar a propagação do vírus e reduzir os danos econômicos causados pela epidemia.

Até 1º de agosto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou 1.603 casos de ebola e um total de 887 mortos nos países afetados.

Outros casos

Em Nova York, o Hospital Mount Sinai, em Manhattan, afirmou que estava fazendo testes em um homem com suspeita de ter contraído o vírus durante uma viagem para o oeste da África.

De acordo com o hospital, o paciente deu entrada no pronto-socorro na manhã de segunda-feira com febre e dor de estômago. Médicos acreditam que o homem esteja livre do vírus, mas disseram que esperarão o resultado dos testes, que demoram de 48 a 72 horas para ficarem prontos.

Na Arábia Saudita, o Ministério da Saúde disse que também fazia testes em um homem de 40 anos com suspeita de ter contraído o ebola após uma visita a Serra Leoa.

O período de incubação do ebola é de até três semanas. O contágio só é possível quando a pessoa infectada apresenta febre, diarreia e vômito.

Para Jonas Schmidt-Chanasit, diretor do Instituto Bernhard Nocht de Medicina Tropical em Hamburgo, não há possibilidade de uma epidemia de ebola se espalhar pela Europa.

"É absolutamente improvável que uma epidemia de ebola chegue até a Europa", disse. Segundo ele, o continente está bem preparado para tratar da doença.

RM/dpa/ap/afp/rtr

Leia mais