1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA podem relaxar proibição de doação de sangue por gays

Existente desde 1983, restrição pode passar a valer só para homens que tiveram relações homossexuais nos últimos 12 meses. Órgão regulador americano fará recomendação em 2015 e medida é sujeita à aceitação pública.

Os EUA podem relaxar a proibição perpétua de doação de sangue por homens homossexuais e bissexuais. O anúncio foi feito nesta terça-feira (23/12) pela FDA (agência de vigilância sanitária dos EUA).

A proibição de doação de sangue por homens que tiveram relações sexuais com outros homens nos últimos 12 meses, entretanto, permanece. A FDA informou que tomou a decisão depois de analisar dados científicos nos últimos anos quanto a sua política sobre doações de sangue por gays.

"A agência vai tomar as medidas necessárias para recomendar uma alteração na regra. Assim, a restrição da doação de sangue por homens que mantêm relações sexuais com homens passará de indefinida para um ano desde o último contato sexual", disse um comunicado da FDA assinado pela diretora do órgão, Margaret Hamburg.

Sugestão sujeita à opinião pública

A FDA informou que vai recomendar a alteração da política em 2015 e que a medida será sujeita à opinião pública antes de entrar em vigor.

Um número crescente de especialistas médicos argumentam que as restrições existentes estão ultrapassadas e que existem testes sofisticados que podem tornar a doação de sangue por homens gays uma prática muito mais segura. A proibição de doação de sangue por homens homossexuais foi definida em 1983, no início da epidemia de aids.

Segundo o jornal New York Times, a decisão pode aumentar o suprimento de sangue em até 4%. Assim, os EUA se aproximam de países como o Reino Unido, que em 2011 também se decidiu pelo abandono da proibição vitalícia, optando pela limitação num prazo de 12 meses desde a última relação sexual.

Na Alemanha, gays até hoje são proibidos de doar sangue. Entretanto, o Tribunal de Justiça da União Europeia considera isso uma "discriminação indireta". Em 2013, o Conselho de Medicina da Alemanha se pronunciou a favor de um relaxamento da proibição.

MD/afp/dpa

Leia mais