1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

EUA não esgotaram esclarecimento sobre espionagem, diz Figueiredo

Após reunião com Susan Rice, chanceler afirma que deixa Washington "igual" e que governo americano sabe "perfeitamente" o que o Brasil quer. Segundo Casa Branca, convite a Dilma continua mantido.

O Ministro das Relações Exteriores, Luiz Fernando Figueiredo, afirmou nesta quinta-feira (30/01) que a chefe do Conselho de Segurança Nacional americano, Susan Rice, não esgotou os esclarecimentos sobre o escândalo de espionagem. Sem entrar em detalhes sobre o encontro em Washington, ele se limitou a definir as relações entre os dois países como "densas" e não antecipou quais serão os próximos passos do governo brasileiro.

"Saio igual", disse o chanceler, em declarações reproduzidas pela imprensa brasileira, sobre o status da relação bilateral. "A reunião não esgotou o processo de esclarecimento. Não é uma conversa no meu nível e no nível dela que levará a uma melhoria das relações."

Indagado por repórteres, o ministro não confirmou se o pedido de desculpas exigido pela presidente Dilma Rousseff, que teve suas comunicações espionadas pelos EUA, foi reforçado a Rice. Segundo ele, os americanos sabem "exatamente e perfeitamente" o que o Brasil quer. "O diálogo continua", afirmou.

Figueiredo explicou ainda que a reunião serviu para que Rice explicasse as mudanças no sistema de coleta de dados da Agência de Segurança Nacional (NSA) americana. "É importante ter acontecido a conversa, mas não há um impacto desta conversa nas relações", frisou.

Dilma Rousseff und Barack Obama Archiv 2012 in Washington

Dima e Obama em 2012 em Washington: data do próximo encontro segue incerta

Em entrevista coletiva nesta quinta-feira, o conselheiro adjunto de Segurança Nacional da Casa Branca, Bem Rhodes, insistiu que o governo Barack Obama fará o possível para afinar posturas com o Brasil, a quem continuará informando sobre suas atividades de vigilância e inteligência.

"O que dissemos aos brasileiros é que vamos continuar tentando proporcionar toda a informação que pudermos sobre a natureza de nossas atividades de inteligência, que mais uma vez, em nossa opinião, não estão dirigidas a certas pessoas, como a presidente Dilma", disse o conselheiro.

Rhodes se referiu também à reunião do chanceler brasileiro. "A presidente Dilma reconhece que a relação EUA-Brasil é importante para os dois países e para todo o hemisfério, se não para todo o mundo", afirmou. "Não queremos que este debate sobre a vigilância impeça o progresso em todos os outros assuntos", acrescentou.

Ele garantiu que está mantido o convite a Dilma, que cancelou em setembro uma visita a Washington após a eclosão do escândalo das escutas. "Acho que é algo que gostaria de retomar quando ela se sentir confortável. Vamos continuar buscando oportunidades para recebê-la", disse o assessor.

RPR/ dpa/ efe

Leia mais