1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

EUA liberam importação de carne bovina "in natura" do Brasil

Decisão vale para 13 estados e o Distrito Federal. Ministério da Agricultura espera vender 100 mil toneladas por ano em 2020 e afirma que medida terá efeito positivo sobre outros mercados.

O governo dos Estados Unidos liberou nesta segunda-feira (30/06) as importações de carne bovina in natura do Brasil, que estavam proibidas há 15 anos por questões sanitárias, anunciou em Washington a ministra da Agricultura, Kátia Abreu. Atualmente, o Brasil pode vender apenas carne industrializada para o mercado americano.

Em até 60 dias, 13 estados brasileiros e o Distrito Federal poderão exportar carne in natura para os Estados Unidos, anunciou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. São eles Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo, Sergipe, Tocantins e o Distrito Federal. Segundo o ministério, as 14 unidades da federação estão livres da febre aftosa e com a vacinação dos rebanhos em dia.

Segundo os cálculos da ministra, a decisão vai fazer as exportações brasileiras de carne bovina para os EUA chegarem a 100 mil toneladas por ano em 2020. Em 2014, o Brasil exportou 1,244 milhão de toneladas de carne bovina in natura, com faturamento de 5,8 bilhões de dólares, segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec).

O ministério também espera que a medida tenha um efeito positivo sobre outros mercados, já que a decisão do governo Obama equivale a um atestado de segurança para o produto. A liberação beneficia 95% da agroindústria exportadora brasileira, afirmou o ministério.

"É o céu que se ilumina", disse Abreu, que atribuiu o sucesso das negociações à presidente Dilma Rousseff e sua "firme decisão de colocar seu peso político para que o governo Obama libere a entrada de carne bovina in natura do Brasil no mercado norte-americano".

A resolução do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) entrará em vigor nos próximos 60 dias.

AS/efe/abr/ots

Leia mais