EUA enviarão mais 560 soldados ao Iraque | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.07.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA enviarão mais 560 soldados ao Iraque

Em Bagdá, secretário de Defesa americano anuncia envio de militares adicionais para ajudar a recuperar Mossul, principal reduto do EI no país. "Daremos apoio às forças iraquianas num momento fundamental", diz Carter.

Mossul é controlada pelo grupo Estado Islâmico (EI) desde 2014

Mossul é controlada pelo grupo "Estado Islâmico" (EI) desde 2014

Em visita a Bagdá, o secretário americano de Defesa, Ashton Carter, anunciou nesta segunda-feira (11/07) que os Estados Unidos vão enviar mais 560 soldados ao Iraque para auxiliar na reconquista de Mossul, reduto iraquiano do grupo "Estado Islâmico" (EI).

"Continuaremos observando o que mais podemos fazer para criar e aproveitar oportunidades e acelerar as últimas derrotas do EI", afirmou o secretário.

Carter prometeu às autoridades iraquianas que os "EUA darão todo o apoio necessário para responder às necessidades das forças iraquianas e acelerar as operações de libertação de Mossul". A cidade está sob o poder dos extremistas desde 2014.

A maior parte dos militares adicionais vai trabalhar na reconstrução da base aérea de Qayara, recapturada por forças iraquianas no último sábado com o apoio da coalizão internacional liderada pelos EUA. A vitória foi considerada estratégica pelo secretário de Defesa americano.

Carter: Com os soldados adicionais, alcançaremos uma capacidade única contra o EI

Carter: "Com os soldados adicionais, alcançaremos uma capacidade única contra o EI"

"Com as forças americanas adicionais que estou anunciando hoje, alcançaremos uma capacidade única e daremos apoio às forças iraquianas num momento fundamental do combate", acrescentou.

Avanços contra o EI

O ministro da Defesa do Iraque, Khalid Al-Obeidi, disse que as forças iraquianas estão numa etapa avançada no processo de libertação de Mossul e pediu maior mobilização da comunidade internacional para atender os deslocados pelo conflito.

Carter ressaltou que o combate ao terrorismo na região "não deve ser uma luta apenas dos EUA, do Iraque e da Síria", pois "existe uma coalizão internacional forte por trás".

O secretário americano chegou nesta segunda-feira a Bagdá, numa visita surpresa, para tratar de estratégias de combate aos jihadistas do EI. Em sua última visita ao país, em abril, Carter anunciara que os EUA enviariam mais soldados e helicópteros de ataque.

Os novos soldados devem chegar ao Iraque nas próximas semanas. Segundo fontes do Departamento de Defesa americano, o total de militares americanos no país passa de 4 mil.

KG/efe/ap

Leia mais