1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA elevam segurança na véspera de relatório sobre torturas cometidas pela CIA

Documenta detalha práticas executadas pelo serviço secreto na luta contra o terrorismo e deixaria claro que elas não trouxeram informações relevantes.

O Senado dos Estados Unidos deve divulgar nesta terça-feira (09/12) um polêmico relatório sobre o uso de tortura pela CIA em interrogatórios de pessoas suspeitas de ligação com a rede terrorista Al Qaeda, depois dos atentados de 11 de Setembro.

A provável publicação levou os Estados Unidos a elevar o nível de segurança em suas embaixadas ao redor do mundo, por temer que as revelações gerem uma onda de indignação e fúria, principalmente em países árabes.

O relatório total tem mais de 6 mil páginas e continuará sendo secreto. A versão a ser divulgada nesta terça é um resumo de cerca de 500 páginas. Nela estariam detalhadas práticas de tortura pela CIA, incluindo o polêmico waterboarding. Uma das informações mais polêmicas, entretanto, é que as torturas não trouxeram informações importantes para os EUA.

A senadora responsável pela divulgação, Dianne Feinstein, é democrata, assim como o presidente Barack Obama. Segundo a Casa Branca, Obama é favorável à divulgação do relatório. Mesmo assim, o secretário de Estado, John Kerry, alertou na semana passada para o impacto que o documento poderá ter.

O relatório cobriria o tratamento dado a cerca de cem suspeitos, detidos em operações ocorridas entre os anos de 2001 e 2009, durante o governo do presidente George W. Bush. Os detentos teriam sido submetidos a torturas, tanto na prisão de Guantánamo, em Cuba, como em prisões secretas da CIA espalhadas pelo mundo.

Segundo o assessor de imprensa da Casa Branca, o governo tentou liberar o máximo possível de informações. Em agosto passado, ao falar sobre o relatório, Obama admitiu que a CIA torturou suspeitos na luta contra o terrorismo.

AS/afp/rtr

Leia mais