1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA dizem que "Estado Islâmico" cometeu genocídio

Kerry reconhece que grupo terrorista tenta dizimar minorias cristãs e yazidis, além de muçulmanos xiitas na Síria e no Iraque. Medida não deixa claro se serão tomadas novas ações para combater os extremistas.

O secretário de Estado americano, John Kerry, disse nesta quinta-feira (17/03) que o Estado Islâmico (EI) pratica genocídio contra minorias cristãs e yazidis e contra muçulmanos xiitas no Iraque e na Síria.

"O fato é que o Daesh [termo árabe para o EI] mata cristãos por serem cristãos. Yazidis por serem yazidis. Xiitas por serem xiitas", afirmou Kerry, que acusou os terroristas de crimes contra a humanidade e limpeza étnica. "A visão de mundo do grupo é baseada em eliminar aqueles que não seguem a sua ideologia perversa."

O Congresso americano vinha pressionando a Casa Branca a apresentar uma investigação sobre a prática de genocídio envolvendo o EI. As conclusões do relatório são baseadas em informações do Departamento de Estado e dos serviços de inteligência.

Apesar de reconhecer a prática, Washington não é legalmente obrigado a tomar ações específicas. Kerry disse que os EUA vão fazer o possível para desmobilizar o grupo, mas não deixou claro se haveria mudanças nas estratégias militares das forças americanas na Síria e no Iraque.

Os EUA têm lançado ataques aéreos contra o grupo, mas não se comprometeu a enviar soldados para combate por terra.

A última vez que o governo americano reconheceu um genocídio foi em 2004, no conflito de Darfur, no Sudão.

KG/rtr/dpa

Leia mais