1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA deveriam ter bombardeado acessos a Auschwitz, diz Bush

Durante visita ao memorial do Holocausto Yad Vashem, o presidente George W. Bush afirma que os Estados Unidos deveriam ter destruído as vias que levavam ao campo de concentração.

default

Bush entre o presidente Shimon Peres (e) e o primeiro-ministro Ehud Olmert, em Jerusalém

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse que o seu país deveria ter bombardeado as vias de acesso ao campo de concentração de Auschwitz durante a Segunda Guerra Mundial. A afirmação foi feita nesta sexta-feira (11/01) durante uma visita de Bush ao memorial do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém.

A declaração reacendeu uma antiga discussão sobre o comportamento dos Aliados em relação ao Holocausto. Desde antes do final da Segunda Guerra discute-se se os Aliados poderiam ter feito mais para impedir o extermínio de judeus pelos nazistas. Somente em Auschwitz, mais de 1 milhão de pessoas foram mortas, a maioria judeus.

"Os americanos estavam informados sobre o Holocausto, mas faltou a eles vontade política para agir", afirmou o porta-voz do Memorial e Museu Auschwitz-Birkenau, Jaroslav Mensfelt, à agência de notícias DPA.

Bush emocionado

Em janeiro de 2005, quando se completaram os 60 anos de libertação dos prisioneiros de Auschwitz, o ex-presidente isralense Mosche Katzav afirmara que o bombardeio das estradas de ferro que levavam ao local teria salvado a vida de muitas pessoas.

O diretor do Yad Vashem, Avner Schalev, disse que Bush estava visivelmente emocionado durante a visita. "Por duas vezes, eu vi lágrimas se formarem nos seus olhos", comentou. De acordo com Shalev, Bush viu fotos aéreas de Auschwitz tiradas pelas forças americanas durante a Segunda Guerra e chamou a secretária de Estado Condoleezza Rice para discutir por que os EUA não destruíram os acessos ao local. "Deveríamos ter bombardeado", disse o presidente.

Bush deixou Israel nesta sexta-feira rumo ao Kuwait. É o primeiro de cinco países árabes que ele visitará nos próximos dias. (as)

Leia mais