1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA dão primeiro passo para reformar NSA

Comissão de deputados aprova projeto de lei que impede o serviço secreto de coletar dados telefônicos e o obriga a buscar aprovação judicial para solicitá-los às operadoras.

Com um raro consenso partidário, a Comissão de Assuntos Jurídicos da Câmara dos Representantes dos EUA aprovou nesta quarta-feira (07/05) o projeto de lei para reformar a Agência de Segurança Nacional (NSA). Democratas e republicanos votaram por unanimidade (32 votos) a favor das novas regras, que incluem o fim da coleta em massa de dados telefônicos por parte do órgão.

O projeto de lei prevê que os dados não sejam mais armazenados pela NSA, mas apenas pelas operadoras de telefonia, como já ocorre. Para acessá-los, o serviço secreto teria de solicitar autorização ao Tribunal de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISC), que supervisiona atividades de vigilância no país.

Ainda é incerto se o projeto de lei, assim como está, terá também a aprovação de toda a Câmara de Deputados e do Senado. Os democratas estão em minoria na câmara baixa do Parlamento.

Nesta quinta-feira, o Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes pretende avaliar um projeto semelhante, o que diminui as chances de aprovação do outro projeto. Depois de passar pela Câmara e pelo Senado, o projeto deve ser assinado pelo presidente Barack Obama para virar lei.

Em março, Obama havia apresentado algumas propostas para limitar o armazenamento dos chamados metadados das ligações telefônicas, que guardam os números chamados e a duração das conversas, mas não o conteúdo delas. No entanto, as regras sugeridas valeriam apenas para cidadãos americanos – para estrangeiros, as normas seriam diferentes.

Hoje o FISC permite que a NSA colete, armazene e avalie milhares de dados telefônicos. Se a nova lei entrar em vigor, o tribunal deverá examinar caso a caso e, se aprovada a espionagem, o serviço secreto terá de pedir os dados às operadoras de telefonia.

O projeto prevê ainda limitar o alcance da espionagem. Hoje, além do suspeito, podem ser espionados os contatos dele e os contatos desses contatos, ou sejam, são ao todo três níveis. O novo projeto prevê apenas dois, ou seja, o suspeito e os seus contatos. A porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Caitlin Hayden, elogiou o projeto como "um bom primeiro passo".

BS/dpa/rtr/afp

Leia mais