EUA cobram responsabilidade de agências de rating em crise financeira mundial | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 05.02.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

EUA cobram responsabilidade de agências de rating em crise financeira mundial

Governo norte-americano considera que agências de classificação de risco Standard & Poor's, Moody's e Fitch tiveram papel chave na crise que devastou os mercados em 2008. Ministério da Justiça entrará com processo.

A agência norte-americana de classificação de risco Standard & Poor's (S&P) anunciou ter sido informada nesta segunda-feira (04/02) pelo Ministério de Justiça dos Estados Unidos sobre a ação judicial. Em comunicado, a empresa rebateu a acusação do governo, considerando-a "inteiramente injustificada".

As procuradorias de alguns estados do país também querem processar a S&P. Segundo informações do diário Wall Street Journal, as acusações de má conduta podem ser formalizadas ainda esta semana.

O relatório final de uma comissão do Congresso norte-americano sobre a crise financeira concluiu que as três poderosas agências de classificação de risco – S&P, Moody's e Fitch – contribuíram para desencadear a crise financeira mundial. As agências alegam que somente manifestaram uma opinião e não uma sugestão de compra.

As acusações estão relacionadas à qualificação de títulos hipotecários norte-americanos. As três agências avaliaram a nota de crédito desses títulos como muito boas. Investidores de todo o mundo confiaram nessa avaliação e compraram os papéis.

Os títulos eram baseados em empréstimos que tinham como garantia propriedades norte-americanas. Quando a bolha do mercado imobiliário nos Estados Unidos estourou, esses títulos, classificados com a nota máxima AAA, perderam seu valor.

Os títulos então podres, passados de mão em mão entre os bancos como garantia de pagamento, levaram à crise financeira mundial após a quebra do banco de investimentos Lehman Brothers, em setembro de 2008.

O governo norte-americano não é o primeiro a processar a S&P pela crise. Um tribunal australiano condenou a agência ao pagamento de uma indenição milionária por ter confundido os investidores com suas avaliações. Investidores em Nova York movem uma ação similar.

CN/dw/rtr/afp/dpa/ap
Revisão: Francis França