EUA acusam Rússia de ataques cibernéticos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

EUA acusam Rússia de ataques cibernéticos

Washington diz que objetivo de ataques cibernéticos a pessoas e instituições americanas era interferir na eleição que escolherá novo presidente dos EUA. Moscou afirma que acusação é absurda.

O governo dos Estados Unidos acusou nesta sexta-feira (07/10) oficialmente a Rússia dos recentes ataques cibernéticos contra pessoas e instituições americanas, incluindo o Comitê Nacional do Partido Democrata. A suposta invasão de Moscou teria o objetivo de interferir nas eleições de 8 de novembro.

Em comunicado conjunto do Departamento de Segurança Nacional e o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional, os Estados Unidos se declararam "seguros de que o governo russo dirigiu" esses ataques.

"Acreditamos, com base no alcance e sensibilidade desses esforços, que somente altas autoridades da Rússia poderiam ter autorizado essas atividades", afirma o comunicado.

Esta é a primeira acusação oficial dos Estados Unidos contra Moscou em meio a uma série de ataques cibernéticos contra instituições americanas. O comunicado afirmou que a suposta divulgação de e-mails hackeados no Wikileaks e em outros sites são compatíveis com métodos utilizados pela Rússia.

"Esses roubos e divulgações têm a intenção de interferir no processo eleitoral dos EUA. Essas atividades não são novas para Moscou. Os russos já usaram tácticas e técnicas similares em toda a Europa e Eurásia para influenciar a opinião pública", ressaltou o comunicado.

Moscou negou que tenha participação nos ataques cibernéticos. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, classificou as acusações de absurdo.

"Isto é novamente um absurdo. Nossos sites são alvos de milhares de tentativas de ataques de hackers por dia", acrescentou Peskov.

CN/efe/afp/rtr

Leia mais