1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

"Eu estava cego", diz alemão que se juntou ao EI

Após desilusão amorosa, jovem viajou à Síria para se unir ao "Estado Islâmico" e encontrou algo bem diferente das prometidas quatro esposas. De volta à Alemanha, ele pode ser condenado por filiação a grupo terrorista.

"Eu esperava que tudo fosse ser lindo. Risadas, churrasco, mulheres, carros", disse o jovem de origem alemã e tunisiana Ebrahim H. B. diante do tribunal em Celle, no norte da Alemanha, nesta segunda-feira (10/08). Mas quando chegou ao campo de acolhimento do "Estado Islâmico" (EI) na Síria e as portas se fecharam atrás dele, ele percebeu que a realidade era diferente.

"Nesse momento, ficou claro para mim que eu estava com grandes problemas." Mas era tarde demais. O jovem de 26 anos viajou de Wolfsburg, na Alemanha, à Turquia e, de lá, à Síria, onde se juntou ao EI e ficou diante da decisão: lutar ou perpetrar um ataque suicida?

"Até hoje não acredito que estou sentado neste banco dos réus. Estou muito feliz por estar aqui e poder conversar com vocês", disse Ebrahim H. B. Atrás de um vidro no tribunal, ele estava sentado ao lado do amigo e também réu Ayoub B., de 27 anos. Os dois respondem à acusação de filiação a uma organização terrorista internacional. Além disso, Ebrahim H. B. se candidatou a perpetrar um ataque suicida, confessa, dizendo que foi apenas uma desculpa para fugir do extremistas.

O jovem diz que estava simplesmente no lugar errado, na hora errada. Apenas "duas a três semanas" teriam transcorrido entre o primeiro encontro numa mesquita e a viagem à Síria. "Eu só queria ir embora." O motivo seria o cancelamento do seu casamento. "Nunca fui muito religioso. Até hoje não sei rezar direito e também nunca tive nada a ver com salafistas e terroristas."

Após o choque sobre o casamento, seu grande sonho, Ebrahim H. B. encontrou consolo entre os amigos da mesquita. Os homens que o encontravam regularmente no templo são hoje conhecidos como a "célula de Wolfsburg" – um grupo de cerca de 20 muçulmanos que viajaram à Síria em 2013 e 2014, para se juntar ao EI.

Resposta para todas as perguntas

Os homens foram atraídos pelo pregador Yassin O. Na mesquita, "ele dava a impressão de ter resposta para todas as perguntas. Todos o respeitavam", contou Ebrahim H. B., que decidiu seguir os passos de seus amigos rumo à Síria.

O pregador lhe dissera que ele poderia se casar com quatro mulheres no novo país, onde receberia uma identidade com a qual poderia abastecer seu carro de graça. "Confesso que eu estava cego", afirmou o jovem. Ele se arrepende de cada passo que deu em direção ao EI, disse no tribunal.

Há contradições entre seu relato desta segunda-feira e uma entrevista dada a uma emissora de TV anteriormente, para as quais ele usa como justificativa seu medo e estado psicológico durante os dois meses e meio que passou junto aos extremistas. Desde que voltou à Alemanha, ele passou por mais de cem horas de aconselhamento psicológico e vive em estado de pânico constante, disse.

Ebrehim H.B. e o amigo podem ser condenados a até dez anos de prisão. Além de filiação a organização terrorista, Ayoub B. é acusado de preparar um grave ato de violência contra o Estado. O jovem de 27 anos contestou a acusação na semana passada, afirmando que apenas estudou o Alcorão e queria praticar "ajuda humanitária".

Leia mais