1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Etapas do levante popular

Crônica dos acontecimentos de 17 de junho de 1953

default

Há 50 anos: trabalhadores atravessam a Porta de Brandemburgo em direção a Berlim Ocidental

7 de outubro de 1949:
É fundada a República Democrática Alemã (RDA).

9 a 12 de julho de 1952:
Na 2ª Conferência do Partido Socialista Unitário (SED), o secretário-geral Walter Ulbricht anuncia a "construção planejada do socialismo", segundo o modelo soviético.

3 de fevereiro de 1953:
O Comitê Central do SED decide uma "campanha por uma severa redução de gastos" na economia estatal do país.

5 de março de 1953:
A morte de Stalin leva à insegurança e lutas pelo poder na liderança de inúmeros países do Bloco Oriental.

20 de abril de 1953:
O Conselho de Ministros da RDA decide um aumento draconiano dos preços de gêneros alimentícios, tais como carne, embutidos, derivados de açúcar e outros produtos em falta no mercado.

15 de maio de 1953:
Em sua 13ª Conferência, o Comitê Central do SED decide aumentar em pelo menos dez por cento as normas de trabalho em todas as empresas estatais, até 30 de junho.

29 de maio de 1953:
A liderança da RDA anuncia o aumento das normas de trabalho.

9 de junho de 1953:
O politburo do SED anuncia um "novo rumo", prometendo à população melhorias consideráveis no cotidiano. Alguns erros do passado são admitidos, devendo a repressão diminuir.

16 de junho de 1953:
Segundo artigo publicado no jornal sindicalista Tribüne, o SED pretende manter o aumento das normas de trabalho decidido em fins de maio, mesmo no contexto do "novo rumo". O artigo provoca protestos de trabalhadores da construção civil em Berlim Oriental, que caminham em passeata até a Casa dos Ministérios, exigindo negociações com o governo. A notícia da manifestação propaga-se com rapidez por quase toda a RDA.

17 de junho de 1953, pela manhã:
Têm lugar em quase 700 localidades, em toda a RDA, manifestações, greves e confrontos entre a população e o poder estatal. Os protestos realizam-se principalmente em grandes empresas e focos tradicionais do movimento trabalhista, em especial em Berlim, Halle-Bitterfeld, Leipzig, Magdeburg, Görlitz e Iena. A população assalta prisões e liberta os prisioneiros. Em Berlim, dois homens retiram a bandeira vermelha da Porta de Brandemburgo e a rasgam, sob os aplausos da multidão. Os rebeldes não são coesos em suas reivindicações, que vão desde o cancelamento das normas de trabalho e melhoria do padrão de vida até metas políticas, tais como eleições livres, renúncia do governo e substituição dos líderes políticos.

17 de junho, meio-dia:
Tanques soviéticos avançam sobre Berlim e outras cidades. Os militares promulgam o estado de exceção e usam da violência contra os manifestantes. A partir das 13 horas, ficam proibidas todas as manifestações e demais aglomerações a céu aberto ou em edifícios públicos. Entre as 21 e as 5 horas vigora a proibição de sair às ruas. Ao todo, mais de 20 pessoas morrem nos confrontos.

18 de junho de 1953:
Em julgamento sumário, o operário Willy Götting é condenado à morte por participação na revolta e imediatamente executado. Ao todo, são presas 7663 pessoas, sendo condenados 1526 réus.

21 de junho de 1953:
Em sua 14ª Conferência, o Comitê Central do SED admite erros internos e decide cancelar o aumento de preços e de normas de abril e maio, respectivamente, aumentar as aposentadorias mínimas, bem como disponibilizar mais bens de consumo.

24 a 26 de julho de 1953:
A 15ª Conferência do Comitê Central do SED conduz à destituição de Wilhelm Zaisser, Rudolf Herrnstadt e Max Fechner, críticos de Ulbricht, o qual consolida seu poder.