1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Estudo sobre doping esportivo na Alemanha omite detalhes e gera polêmica

Jornal questiona versão divulgada pelo governo alemão, sem relatos de testemunhas e nomes de políticos envolvidos. Documento revela que uso de substâncias era feito de forma sistemática por atletas desde os anos 1950.

Sob forte pressão da opinião pública, o governo alemão divulgou nesta segunda-feira (05/08) o conteúdo do controverso estudo sobre doping esportivo na antiga Alemanha Ocidental, que teve trechos antecipados pela imprensa local no fim de semana e revela o uso sistemático de substâncias anabolizantes a partir de 1949 no país.

O relatório, produzido pela Universidade Humboldt de Berlim, foi publicado no site do Instituto Federal de Ciência Esportiva (BISp, sigla em alemão). E uma série de questionamentos e críticas se seguiram à sua divulgação.

Em matéria com o título "Faltam 680 páginas", o jornal Süddeutsche Zeitung afirma em seu site que o material disponibilizado pelo Ministério do Interior, ao qual o BISp é subordinado, conta com apenas 117 páginas. Já o relatório em posse do jornal, que fora citado na edição publicada no sábado passado, teria 804 páginas.

Dados desencontrados também dizem respeito à data de conclusão do documento. A versão divulgada no site do BISp data de 30 de março de 2013. Já o documento nas mãos do periódico é alguns meses mais antigo e também tem como título "Relatório final".

O documento divulgado pelo BISp seria um versão reduzida do relatório final original, mas sacrificando conteúdo. As 680 páginas que ficaram de fora teriam excluído "detalhes" importantes, diz o SZ, como relatos de testemunhas da época e nomes de políticos influentes envolvidos no sistema. "As duas versões são substancialmente diferentes", constata Ingmar Schmidt, diretor do departamento de pesquisa da HU.

Carl-Uwe Steeb Jan Ullrich Joseph Keul 1997

Hamburgo, 1997: Joseph Keul (d) cumprimenta o tenista Carl-Uwe Steeb (e) e o ciclista Jan Ullrich (m)

Inicialmente, o governo alemão havia alegado que não publicaria o relatório por uma questão de "proteção de dados". Já a versão sem os nomes, avalia o jornal, pode ter tornado mais rápida a decisão de publicar o relatório, diante da pressão da mídia e de políticos.

Largo uso de anfetaminas

A antecipação de trechos do relatório no fim de semana desencadeou grande polêmica no país, onde se considerava que doping financiado por dinheiro público era limitado à extinta Alemanha comunista. Segundo o estudo, o doping começou na Alemanha Ocidental já em 1949 e, até 1960, anfetaminas eram usadas de maneira "sistemática", inclusive por jogadores de futebol famosos.

"As diversas teses de que o problema de doping na Alemanha só veio à tona após o consumo de anabolizantes nos anos 1960 mostram-se impressionantemente errôneas", diz o relatório de 117 páginas. "Assim, se questiona o quanto os responsáveis pelo meio esportivo na Alemanha realmente se empenharam na luta contra o doping e o quão persistentes eles foram nesta meta", continua o documento. Sem citar nomes em sua maior parte, o relatório expõe a conivência dos responsáveis pelo esporte na época.

O estudo conclui ainda que a pesquisa aplicada de doping na Universidade de Freiburg, sob coordenação de Joseph Keul, chefe da equipe médica da delegação olímpica nos anos 1980, era "tolerado ou até mesmo estimulado por todas as instâncias decisivas". Keul, que morreu em 2000, fazia parte da equipe médica olímpica desde 1960. Seu instituto, afirma o estudo, era considerado um "centro de pesquisa de doping da Alemanha ocidental".

A Federação Olímpica Alemã considerou positiva a publicação do relatório. "Vamos analisar os resultados e debater as consequências", afirmou o porta-voz Christian Klaue.

O Ministério do Interior deve se pronunciar nos próximos dias sobre o assunto. A pedido da oposição, o ministro Hans-Peter Friedrich deve participar de uma reunião extraordinária no Parlamento alemão para discutir o tema.

MSB/dpa/afp

Leia mais