Estudo detecta intolerância entre europeus | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.11.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Estudo detecta intolerância entre europeus

Sondagem em oito países da UE constata que quase metade dos entrevistados tem preconceitos de ordem racial, sexual, religiosa ou contra minorias.

default

Maioria dos europeus associa islamismo a intolerância

Quase metade dos entrevistados em oito países europeus tem preconceitos contra minorias, seja ela de migrantes, judeus, mulheres, homossexuais ou grupos religiosos.

A conclusão é de um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Interdisciplinar sobre Conflitos e Violência, de Bielefeld, e do Instituto Amadeu Antonio, de Berlim, apresentado nesta sexta-feira (13/11) na capital alemã. Conforme a sondagem, 50% dos entrevistados acham que em seus países existem imigrantes demais e 43% rejeitam direitos iguais para homossexuais.

O nível mais baixo de discriminação foi detectado na Holanda, seguida por Reino Unido, França, Alemanha, Itália e Portugal. Os maiores níveis de preconceito foram detectados na Polônia e na Hungria. A pesquisa ouviu 8 mil pessoas com mais de 16 anos em oito países da União Europeia (Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Holanda, Portugal, Polônia e Hungria).

Segundo o estudo, metade dos entrevistados (50,4%) respondeu que concorda com a frase "existem imigrantes demais em meu país" e 54,4% acham que o islamismo é uma religião de intolerância. Os valores variam, em parte, sensivelmente de país para país. Enquanto na Polônia 27% acham que há imigrantes demais no país, na Holanda são 46% e na Itália, 62,4%, o maior porcentual entre os entrevistados.

Hierarquia

Quase um quarto (24,4%) acredita que os judeus têm "influência demais" no seu país. E quase um terço (31,1%) dos entrevistados são da opinião de que há "uma hierarquia natural entre negros e brancos".

Além disso, a maioria dos participantes do estudo (60,2%) é a favor da manutenção dos papéis tradicionais entre os sexos e deseja que as mulheres levem mais a sério seu papel de mães e donas-de-casa, enquanto 42,6% rejeitam direitos iguais para homossexuais e acham que a homossexualidade é algo "imoral".

Cem Özdemir

Por cinco anos, Özdemir foi deputado no Parlamento Europeu

Na apresentação do estudo em Berlim, Cem Özdemir, presidente do Partido Verde, disse que o resultado apresenta uma "situação dramática" na Europa. Por isso, segundo ele, as instituições de ensino devem valorizar mais "a educação dirigida aos valores democráticos".

"Mais de 200 anos após o Iluminismo, não estamos no estágio mais elevado da civilização humana, enquanto somos cercados pela barbárie. Mas a barbárie está dentro da União Europeia", salientou Özdemir. Mesmo assim, ele vê o papel da União Europeia de forma positiva: "A UE tornou possíveis progressos substanciais, como, por exemplo, a diretriz europeia contra a discriminação, que por muito tempo foi rejeitada por tantos países. Por isso, ela está no caminho certo."

O político classificou como positivo que tenha sido comprovado que, em seis dos oito países, o contato pessoal com representantes de uma minoria, como imigrantes, judeus ou homossexuais, levou ao fim do fim de preconceitos também com relação a outros grupos.

Entre os principais fatores que favorecem o surgimento de preconceito está, segundo os realizadores do estudo, o posicionamento autoritário das pessoas, o sentimento subjetivo de ameaça por estrangeiros e a negação de diferenças culturais.

Outros fatores são, conforme o estudo, baixos níveis de educação, idade avançada e fortes identificações regionais ou nacionais, assim como a religiosidade. "Quanto mais religiosas as pessoas se dizem, maior é a tendência de elas desenvolverem preconceitos contra outros grupos", afirma Andreas Zick, responsável pelo estudo.

MD/kna/dpa/epd

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais