1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Estudo compara situação legal dos imigrantes na Europa

Estudo aponta Suécia como país europeu que melhor integra os imigrantes. A idéia é fomentar uma cooperação mais estreita entre os membros da UE em relação às diretrizes que regulamentam a vida dos estrangeiros no bloco.

default

Togolês espera em Berlim pela concessão do passaporte alemão: processo de obtenção da cidadania difere nos diversos países europeus

Se depender de um estudo feito pelo British Council, o Migration Policy Group e outras 20 organizações, com o apoio da União Européia, os imigrantes que chegam à Europa deveriam optar pela Suécia para viver. Pois o país ao norte do continente é o que oferece as melhores condições de integração aos estrangeiros.

Aprendendo uns com os outros

Ausländer in Schweden Stockholm

Estrangeiros em Estocolmo: topo no ranking europeu

Numa escala que dá aos países que mais favorecem a vida do imigrante a nota 100, a Suécia recebeu 88 pontos, seguida de Portugal, com 79. O último da lista é a Letônia, que conseguiu apenas 30 pontos.

“Os países da UE cooperam cada vez mais em termos de integração. A pergunta que surge é sempre: o que cada um pode aprender com o outro? É possível comparar as diversas situações? Caso sim, a partir de quais critérios? É neste sentido que queremos dar nossa contribuição, ao questionarmos: se você quer melhorar a situação, como deverá dar curso às mudanças?”, aponta Jan Niessen, diretor da organização Migration Policy Group.

No contexto do estudo, foram definidos seis setores-chave, considerados essenciais para a integração dos migrantes, como o acesso ao mercado de trabalho, o direito de votar e a obtenção da nacionalidade. Enquanto a Suécia encabeça a lista em todos esses quesitos, a Alemanha ocupa uma posição intermediária na escala, ao lado de França, Luxemburgo e Irlanda. A Romênia e a Bulgária, os últimos países a serem aceitos no bloco, não foram incluídos no estudo.

Espelho, espelho meu...

Cem Özdemir Porträtfoto

Cem Özdemir, deputado verde no Parlamento Europeu

“A UE e seus países-membros precisam ter coragem de comparar as diretrizes que vigoram em cada Estado e são baseadas em princípios únicos. Quando eles dizem, por exemplo, que são contra a discriminação, então observamos as diretrizes que tratam do assunto. Construímos uma espécie de espelho e auxiliamos os países a se olharem”, diz o especialista Niessen.

E os resultados são alarmantes: os países europeus, registra o estudo, só fazem a metade do que poderiam fazer pela integração dos imigrantes. A idéia não é porém, apenas colocar o dedo em riste para apontar falhas em cada sistema.

“Este índice nos coloca números comparativos na mão: onde estamos, onde os outros estão melhores? E também, claro, o que os outros fazem pior e como se poderia fazer melhor? O estudo deveria ser analisado desta forma. Não se trata de uma crítica ácida, mas de um encorajamento a olhar os outros dentro da Europa para aprender com eles. Nem tudo pode ser transposto, nem tudo é melhor no outro país, mas alguns aspectos sim”, comenta Cem Özdemir, deputado verde no Parlamento Europeu.

Facilidades legais

Ausländer und Deutsche in der Wirtschaft

Acesso ao mercado de trabalho: ponto primordial na integração do estrangeiro

Um exemplo concreto: na Suécia, todo estrangeiro que vive no país há pelo menos um ano pode trabalhar no setor que quiser e também se tornar autônomo, como se fosse um cidadão europeu. Além disso, o Estado auxilia os migrantes que ainda não conseguiram emprego, oferecendo aulas do idioma e serviços de consultoria profissional.

Todo estrangeiro proveniente de países que não pertencem à UE podem votar nas eleições estaduais e municipais, quando vivem no país há mais de três anos. Junto da Suécia, a Noruega e a Finlância encabeçam a lista dos países que melhor integram os migrantes.

Forma de patriotismo

“Isso tem a ver com uma certa forma de patriotismo, que independe de partido político. O governo mudou na Suécia, mas as diretrizes da política de integração continuaram as mesmas. E este é, a meu ver, o segredo: um consenso básico, de que integrar o estrangeiro é positivo para uma sociedade. Na Alemanha, quando se fala do assunto migração, não se analisa fatos comprovados, mas se fala muito de ideologia”, pondera o parlamentar Özdemir.

Os últimos lugares do ranking são ocupados por Chipre, Letônia e Áustria. Neste último, o estrangeiro interessado em ingressar no mercado de trabalho enfrenta enormes dificuldades, além de ter problemas para conseguir uma permissão de moradia de longo prazo. Além disso, o Estado falha na proteção do imigrante contra discriminação.

O relatório não deve ser o último sobre o assunto. Em 2009, saem os próximos índices de qualidade de vida dos estrangeiros. A idéia é fazer com que cada governo perceba se fez algum progresso. Aos poucos, serão incluídos outros quesitos nas comparações. O acesso à formação escolar, por exemplo, não foi levado em consideração no atual estudo, por mais significativo que seja. (pl/sv)

Leia mais