Estudiosos veem interesse crescente pela obra de Borges na Alemanha | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 14.06.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Estudiosos veem interesse crescente pela obra de Borges na Alemanha

Falecido há 25 anos, o escritor argentino Jorge Luis Borges continua sendo traduzido e estudado no mundo todo. Na Alemanha é publicada uma seleção de ensaios não editados em livro pelo autor.

default

Jorge Luis Borges em 1983

"Nem sequer me agrada a ideia de ser lembrado depois de morto. Eu espero morrer, esquecer e ser esquecido", disse o escritor argentino Jorge Luis Borges numa entrevista em 1979. Mas 25 anos depois da sua morte, a obra dele segue válida e atual, a ponto de não se imaginar a literatura universal sem ele.

O erudito de memória excepcional e aguda inteligência, o leitor incansável e viajante a quem sempre importava voltar a Buenos Aires hoje descansa num cemitério em Genebra, cidade onde faleceu aos 86 anos.

"Sempre imaginei o paraíso como uma espécie de biblioteca", disse Borges. As da vida terrena, ao menos, ele se encarregou de encher com numerosos títulos, e a eles somam-se ainda os volumes escritos pelos estudiosos de sua obra.

O autor de El Aleph e Ficciones é muito mais que um narrador, ensaísta e poeta fascinante. Borges é também um pensador sempre atual, de muitas facetas por descobrir. Na Alemanha, é motivo de estudo e análise em seminários e teses de doutorados que tratam de seu impacto na literatura latino-americana e universal.

Homenagens

"O interesse do mundo acadêmico pela obra de Borges tem aumentado", disse o professor Alfonso de Toro, diretor do Centro de Investigação Ibero-Americana da Universidade de Leipzig e especialista na obra do escritor argentino. "Ele não é somente um literato, mas também um pensador, um filósofo, um autor que deu novo significado a gêneros literários, que tudo desmontou e criou. E isso é muito atraente para os alemães."

Alfonso de Toro, professor da Universidade de Leipzig e especialista na obra de Borges

Alfonso de Toro, professor da Universidade de Leipzig e especialista na obra de Borges

Homenagens de todos os tipos, por todo o mundo, relembram Borges neste dia 14 de junho, data em que se completam 25 anos de sua morte. A fundação que leva o nome do escritor e é dirigida pela viúva dele, María Kodama, resolveu chamar o ano de 2011 de "Ano Borges". Em Veneza, inaugura-se um labirinto que levará o nome do argentino, e suas obras serão reeditadas em diversos idiomas.

Borges em alemão

Borges começou a ler muito cedo. "Não me recordo de uma época em que não sabia ler ou escrever", comentou numa entrevista. Lia em espanhol e inglês, idioma de sua avó materna. Entre as primeiras obras que leu estão as histórias dos irmãos Grimm, na versão inglesa.

Durante a adolescência na Europa, aprendeu a língua alemã à sua própria maneira, lendo Heine com um dicionário inglês-alemão sempre por perto. Mais tarde traduziu, entre outros, Kafka e inclusive dedicou um poema ao idioma alemão.

Na Alemanha, todas as obras de Borges foram reeditadas e completadas com novos manuscritos, em uma coleção de ótima qualidade. A editora Hanser, que qualifica Borges como o "maior escritor argentino e um clássico da literatura universal", publicou há alguns meses Ein ewiger Traum [Um eterno sonho, numa tradução livre]. A obra é uma seleção de ensaios não editados em livro pelo autor. "É uma variedade de textos quase desconhecidos, publicada pela primeira vez em alemão", assinala a editora.

Para Alfonso de Toro, as melhores traduções de Borges são as publicações em alemão, francês e inglês. "As traduções para o alemão são impecáveis, muito boas. É um prazer ler Borges nesse idioma", indica.

Gisbert Haefs: tradutor da obra de Borges para o alemão

Gisbert Haefs: tradutor da obra de Borges para o alemão

O responsável pelas traduções é o escritor alemão Gisbert Haefs, que desde 1981 transcreve e revisa a obra de Borges: existe a edição de bolso da editora Fischer, composta por 20 volumes; a nova edição de capa dura da Hanser, que soma 13 volumes e alguns extras, como o livro de ensaios e uma seleção de diálogos; e a edição anterior, também da Hanser (1981-1987), que reúne oito volumes sob direção de Haefs.

Desafio empolgante

A tarefa de traduzir as obras de Jorge Luis Borges fez de Haefs um grande conhecedor e admirador do argentino. Ele destaca sobretudo "a perfeição literária, o imaculado cumprimento de suas ideias. Claro que estas sempre foram fascinantes para mim: o filosófico-fantástico, o espelho, os tigres, os labirintos, a erudição do ensaísta, a elegante serenidade do poeta".

O trabalho é monumental e ao mesmo tempo estimulante. "Para um tradutor, é desafio empolgante reconstruir tudo isso num outro idioma. Mas, apesar da complexidade das ideias, a linguagem de Borges é sempre muito clara, aguçada e quase simples, a ponto de nunca ser necessário se perguntar o que ele está querendo dizer", afirma Haefs.

Borges, diz Haefs, nunca deveria deixar de ser lido, traduzido, estudado ou publicado porque é um perfeito artista. "Dentro dessa perfeição literária, Borges nos conta sempre as mesmas coisas, sobre a vida e a morte, sobre as preocupações de todas as gerações."

Autores: Victoria Dannemann (br)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais