1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Estreia "Dark", primeira série alemã da Netflix

Um sumiço, uma investigação, mistérios do passado que emergem: temporada inicial de produção em língua alemã recicla fórmulas conhecidas. Série é comparada ao sucesso "Stranger Things".

Dark explora o cenário dos bosques do Palatinado

"Dark" explora o cenário dos bosques do Palatinado

Duas crianças desaparecem numa pequena cidade alemã. Ninguém sabe como ou por quê. Pais, parentes e amigos estão perplexos. Ao investigar-se o mistério, entra em foco o passado dos pais dos desaparecidos e de casais amigos seus. A narrativa volta no tempo: constelações e conflitos familiares vêm à tona. O que o sumiço das crianças, aqui e agora, tem a ver com o passado?

Assim começa Dark, a primeira série alemã da Netflix. Em dez episódios em idioma alemão, tendo como cenário o interior da região do Palatinado, no sudoeste do país, a primeira temporada estreia nesta sexta-feira (01/12).

Leia também: Série alemã retrata glamour e tensão da Berlim dos anos 1920

Se a situação inicial da trama soa familiar, não é por acaso, pois parece uma variação de outras séries, alemãs e estrangeiras. A emissora pública alemã ARD, por exemplo, acaba de apresentar, em oito episódios, Das Verschwinden (O desaparecimento), dirigida por Hans-Christian Schmid – a qual já trazia no próprio título a fórmula básica de sucesso.

Aqui, quem desaparecia era uma jovem de 20 anos, cujos pais, sobretudo a mãe que a criou sozinha, se põem em sua busca. Outros, naturalmente, também se colocam questões: as duas amigas da desaparecida, os parentes, os amigos, a polícia do lugarejo. Pois Das Verschwinden igualmente se desenrola no interior da Alemanha, no caso a região de fronteira com a República Tcheca.

Fórmula conhecida, cenário novo

Fato é que as duas séries alemãs têm temática comum. O sumiço, geralmente de jovens protagonistas, as investigações em cujo decorrer segredos obscuros se revelam, a incerteza semeada entre o público: todos esses são elementos de modelos americanos muito apreciados e de sucesso repetidamente comprovado.

Na lendária série televisiva Twin Peaks, de 1990, não era o desaparecimento, mas sim a morte de uma jovem num bosque do interior dos Estados Unidos que tirava do prumo as vidinhas de familiares, conhecidos e amigos: todo um pacato vilarejo entrava em desordem.

Dark também tem sido comparada a Stranger things, outra produção da Netflix, iniciada em 2016 e que já tem anunciada sua quarta temporada: nela, o sumiço de um garoto é o anúncio de uma série de acontecimentos sobrenaturais numa cidadezinha dos EUA.

Nenhuma dessas comparações e "coincidências" é necessariamente um desmérito para a série alemã que se inicia: também os americanos praticam "empréstimos" de ideias, recorrendo frequentemente a modelos de Hollywood.

Importante é que o produto seja bem realizado e que traga elementos de cor local que justifiquem a nova abordagem, em cenário alemão, de uma fórmula relativamente batida. Os espectadores da Alemanha ainda têm fresca na memória Das Verschwinden, que conseguiu essa façanha de maneira grandiosa. A partir deste 1º de dezembro Dark, criada e dirigida pelo suíço Baran bo Odar, terá sua chance de convencer o público, também internacional.

Leia mais