1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Estréia da gasolina ecológica na UE

Daqui a alguns meses, os motoristas da União Européia poderão encher o tanque com um novo tipo de gasolina, à base de combustível normal e biológico. Mas será este um grande salto ou apenas um pequeno passo?

default

Hoje carros verdes, daqui a pouco: gasolina "verde"!

Se você sentir um cheiro de gordura velha no escapamento de um carro, trata-se, com certeza, de um carro alemão com o tanque cheio de biodiesel, combustível renovável à base de óleo vegetal ou gordura animal, até agora considerado um produto marginal. Usar o diesel biológico é quase a única opção para os alemães que querem andar de carro e preservar o meio ambiente. Ainda em 2004 entrarão em vigor novas normas da União Européia (UE) para que combustíveis tradicionais sejam substituídos por combustíveis ecológicos ou pelo menos misturados. Assim, a UE pretende aumentar a variedade de combustíveis não convencionais.

As novas normas fazem parte de um grande pacote de medidas visando promover as energias renováveis e reduzir a dependência da UE das importações de petróleo. Até 2005, a quantidade mínima de combustível biológico - seja puro ou misturado com combustível tradicional - deve alcançar 2%, chegando a 5% em 2010.

Continue sonhando, motorista!

Preistafel mit Benzinpreisen, die gestiegen sind

Biodiesel - opção barata?

Desde o começo do ano, o combustível biológico está livre de impostos na Alemanha , o que levou muitos a acreditar que assim ele ficaria mais barato. Segundo o secretário-adjunto do Ministério da Agricultura, Matthias Berninger, seria possível inclusive que seu preço caísse 16 centavos por litro – atualmente, o preço médio do litro de biodiesel na Alemanha está em torno de 85 cents. Mas segundo Rainer Winzenried, da Shell, não há motivo para os consumidores ficarem entusiasmados. “Não é apenas o combustível em si que determina o preço”, disse à revista alemã Spiegel, “ainda não sabemos se os custos extras ultrapassam o que se poupa com os impostos.” Estes custos se devem, segundo a indústria petrolífera, à necessidade de armazenamento próprio e de equipamentos especializados para misturá-los.

Também há dúvidas se a UE tem condições de produzir a cota de combustível biológico que gostaria. Quando a União Européia lançou as novas normas em 2001, cresceu a produção de matérias-primas como óleos vegetais, cereais e outros subprodutos orgânicos – tudo que serve à produção de combustível biológico. Com cerca de 30% da produção total da UE, a Alemanha é o maior produtor de combustível ecológico.

Reaktoren

Produção de biodiesel no Leste da Alemanha

Enquanto a Alemanha já produz grandes quantidades de óleo vegetal para misturar com diesel, algumas companhias petrolíferas afirmam que falta etanol, produto feito de beterraba sacarina ou de plantas ricas em amidos, usado para acrescentar à gasolina.

O Automóvel Clube Alemão (ADAC) também avisa que o selo “bio” não significa um combustível 100% protetor do meio ambiente. “É certo que o combustível biológico tem vantagens em relação ao combustível tradicional, pois ele produz uma menor quantidade das emissões perigosas mais comuns. Porém, a emissão de óxidos nitrogenados até é um pouco maior”, disse Peter Hemschik do ADAC.

O combustível do futuro

Enquanto restam problemas para resolver, os defensores das energias renováveis acham que sem as novas normas da UE nunca haverá um mundo mais limpo e livre de emissões.

“Um dos obstáculos é a rede de distribuição – fazer que todo mundo tenha acesso fácil ao combustível 'verde'. Outro é produzir a quantidade necessária para sustentar essa distribuição”, disse Todd Allmendinger, diretor executivo do instituto Emerging Energy Research, à DW-WORLD. “A medida da UE vai ajudar a superar os dois obstáculos. Além disso, a nova norma aumenta a consciência popular e cria estímulos para a indústria automobilística. E sobretudo, dessa maneira, alcançará facilmente objetivos mais altos em prazos menos longos."

No mais tardar os europeus poderão encher seu tanque de gasolina mista em seis meses.

Leia mais