Estados Unidos mantêm cidadão alemão preso no Afeganistão | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.04.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Estados Unidos mantêm cidadão alemão preso no Afeganistão

Homem considerado suspeito de terrorismo foi detido no início do ano quando fazia compras num supermercado das Forças Armadas americanas. Detenção lembra o caso Kurnaz.

default

Soldados alemães no Afeganistão

As Forças Armadas americanas mantêm um cidadão alemão detido há mais de três meses nas proximidades de Cabul, segundo reportagem da revista Der Spiegel divulgada neste sábado (19/04) e confirmada pelo Ministério alemão das Relações Exteriores.

Segundo a revista semanal, autoridades de segurança da Alemanha consideram o homem detido, de 41 anos e origem afegã, como uma pessoa pacífica e insuspeita. "Ele apenas estava no lugar errado na hora errada", afirmou uma fonte do governo alemão. Ele havia ido ao Afeganistão para visitar parentes.

O homem foi detido quando foi fazer compras num supermercado das Forças Armadas dos Estados Unidos em Bagram no último dia 4 de janeiro. Ele teria sido considerado suspeito de terrorismo por portar dinheiro e cartões telefônicos de diversos países. Os militares americanos teriam ainda considerado estranho o comportamento do alemão de origem afegã. De acordo com a Der Spiegel , o suspeito detido sofre de problemas mentais.

Ainda segundo a revista, o ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, conversou sobre o caso com a secretária de Estado Condoleezza Rice no início de março. Diplomatas alemães estão negociando a libertação do prisioneiro, o que seria apenas uma questão de tempo, segundo fontes do Ministério alemão das Relações Exteriores ouvidas pela agência de notícias DPA.

O caso lembra o do alemão de origem turca Murat Kurnaz, que foi mantido preso por militares americanos em Guantánamo durante mais de quatro anos. Kurnaz foi libertado em 2006.

Leia mais