1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Estados alertam para risco de crescente xenofobia na Alemanha

Governantes advertem para a presença de extremistas de direita entre manifestantes do movimento "anti-islamização" Pegida. "Não existe risco de islamização da sociedade alemã", afirma ministro.

Os governos federal e dos estados da Alemanha alertaram para os riscos de xenofobia e preconceito anti-islâmico no país diante do

crescimento do movimento popular Pegida, que se declara contra a "islamização" da Europa

. A incitação contra estrangeiros e muçulmanos não pode ser tolerada, destacaram.

"Nós sentimos que o clima social na Alemanha ficou mais ríspido", afirmou o ministro do Interior, Thomas de Maizière, no encerramento de um encontro com os secretários do Interior em Colônia, nesta sexta-feira (12/12). No encontro, os governantes também discutiram como frear o salafismo em território alemão e a violência de hooligans no futebol.

Pegida é uma sigla em alemão para "Europeus patriotas contra a islamização do Ocidente"

. O movimento tem sua origem em Dresden e, entre outras bandeiras, defende o endurecimento das leis para asilo. Este ano, 180 mil refugiados receberam asilo na Alemanha – número que deve crescer em 2015. São principalmente pessoas em fuga da guerra civil na Síria ou das atrocidades cometidas pelos extremistas do "Estado Islâmico" (EI).

Hooligan-Demo in Hannover 15.11.2014

"Europa contra o terror do islã", diz cartaz do movimento "Hooligas contra salafistas"

O secretário do Interior da Renânia do Norte-Vestfália, Ralf Jäger, afirmou que o Pegida mostra, de forma assustadora, como radicais de direita manipulam manifestações para os seus fins. "Precisamos desmascarar esses agitadores", afirmou. Jäger se mostrou indignado com a propaganda contra os refugiados. "Essas pessoas já perderam tudo e precisam de ajuda, em vez de serem atacadas", disse.

No principal noticiário televisivo do país, De Maizière afirmou que os governantes devem levar os temores dos manifestantes a sério. Ele citou um estudo que mostra que uma parte dos cidadãos se sente como um estrangeiro em seu próprio país. "Nós políticos precisamos nos ocupar disso."

Já após o encontro, De Maizière adotou um discurso mais cauteloso: "Não há nenhuma ameaça de islamização da sociedade alemã". Ele também afirmou que o preconceito contra os muçulmanos se sustenta com argumentos vagos. "A grande maioria dos muçulmanos trabalha, paga impostos, fala alemão. Eles estão integrados e até mesmo torcem pela seleção alemã de futebol", disse o ministro.

Hooligans e salafistas

Porém, justamente no futebol está um dos embriões da xenofobia na Alemanha. O movimento HoGeSa, sigla em alemão para

"Hooligans contra salafistas"

, cuja marcha resultou em graves conflitos em outubro, também está na mira dos ministros. Além de hooligans, o HoGeSa também reúne extremistas de direita. "Os atos desses tipos de alianças nefastas não serão tolerados", garantiu Jäger.

Thomas de Maiziere Innenministerkonferenz 2014 Köln

Incitação contra estrangeiros e muçulmanos não pode ser tolerada, destacaram ministros em Colônia

A situação é delicada para os políticos. De um lado, hooligans protestam contra o salafismo. Do outro, a

cena radical islâmica está em crescimento

. E, no meio, os governantes têm a missão de coibir e separar ambos os lados. Não são poucos os relatos de pessoas que vivem na Alemanha e ajudam a milícia jihadista do EI com a confecção de roupas militares ou doações de dinheiro.

E, segundo De Maizière, os serviços de segurança da Alemanha têm conhecimento do retorno de 180 pessoas que viajaram à Síria e ao Iraque. Oficialmente, cerca de 600 alemães entraram na chamada "Guerra Santa", mas há especialistas que falam de 1.500 a 2.000. Cerca de 60 já teriam morrido.

Os secretários do Interior decidiram pela criação de um plano nacional de prevenção contra o salafismo violento. O objetivo é evitar que jovens sejam

atraídos para a cena salafista

. Os secretários pretendem, além disso, lançar uma campanha online de esclarecimento sobre a propaganda salafista.

PV/dpa/afp

Leia mais