1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Estado Islâmico" decapita espião russo em vídeo

Grupo extremista divulga imagens de suposta execução na Síria e ameaça Moscou com ataques. Vídeo mostra homem confessando, em russo, que fazia parte de serviço de inteligência da Rússia.

Um vídeo divulgado pelo grupo extremista "Estado Islâmico" (EI) nesta quarta-feira (02/12) supostamente mostra a decapitação de um homem que os jihadistas afirmaram ser um espião russo. O executado teria estado na Síria e no Iraque desde o ano passado.

As imagens mostram um homem vestindo um macacão laranja sentado. Em russo, ele dá detalhes de seu aparente recrutamento pelos serviços de inteligência da Rússia e confessa estar espionando o EI. Depois disso, em outro local, aparece um jihadistas que ameaça, também em russo, Moscou e o presidente Vladimir Putin com ataques, antes de decapitar o espião.

De acordo com o serviço de monitoramento Site, o vídeo foi filmado na província de Raqqa, o principal reduto do EI na Síria. Moscou não comentou as imagens, cuja autenticidade ainda não foi confirmada.

Essa é a primeira vez que o grupo terrorista apresenta um refém da Rússia. Moscou não relatou a captura de cidadãos do país pelos jihadistas. Essa também é a primeira suposta execução de um russo desde que o país deu início a bombardeios aéreos contra alvos do EI na Síria, no final de setembro.

Em janeiro, o grupo extremista divulgou um vídeo no qual mostra um menino atirando contra dois homens acusados de serem espiões russos. O grupo terrorista já decapitou reféns de diversos países.

Moscou se tornou um alvo potencial do "Estado Islâmico" depois de iniciar os ataques aéreos contra o grupo. Os jihadistas reivindicaram o ataque a bomba que derrubou um avião russo na península egípcia do Sinai em outubro, matando as 224 pessoas a bordo.

A milícia terrorista disse que tinha inicialmente planejado derrubar um avião pertencente a um país integrante da coalizão internacional liderada pelos EUA, mas que mudou de ideia depois que Moscou começou a sua própria campanha na Síria.

CN/rtr/afp

Leia mais