1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Estado do leste alemão pode ter primeiro governador esquerdista do país

Com passado de acusações de extremismo, partido A Esquerda é recompensado por seu novo curso, mais pragmático. Se eleito na Turíngia, candidato Bodo Ramelow promete governo moderado.

default

Bodo Ramelow, 58 anos, provável governador da Turíngia

Nesta quinta-feira (20/11), a aliança de governo eleita no estado alemão da Turíngia – formada pelos partidos Verde, Social-Democrata (SPD) e A Esquerda – apresentou seu programa de coalizão para os próximos cinco anos. A ocasião teve caráter de sensação para a política nacional, por uma série de motivos.

Por um lado, ela marca o fim mais de duas décadas de dominância da conservadora União Democrata Cristã (CDU) nesse estado, que pertenceu à extinta República Democrática Alemã (RDA), de regime comunista. Além disso, é tido como praticamente certo que, na votação de 5 de dezembro, pela primeira vez no país, um candidato do partido A Esquerda, Bodo Ramelow, será eleito governador estadual.

A legenda de Ramelow é a sucessora do Partido Socialista Unitário (SED), do governo da RDA. Tanto devido a esse histórico quanto à presença de estruturas radicais em seus quadros – a Plataforma Comunista e a associação Cuba Sí, entre outras –, o A Esquerda esteve sob suspeita de extremismo, chegando a ser colocado sob observação de órgãos alemães de segurança interna, em âmbito federal e estadual.

"Extremistas" moderados

O perfil apresentado após a eleição na Turíngia, contudo, é bastante moderado, dispersando os temores mais agudos. Já no preâmbulo ao acordo de coalizão, consta expressamente que a RDA foi um Estado ilegítimo. Além disso, foram colocadas de lado exigências controversas do partido, como a dissolução do Departamento de Proteção da Constituição da Turíngia.

Em vez de palavras de ordem marxistas, o programa promete apoio ao médio empresariado alemão. Segundo declarou Ramelow à agência de notícias Reuters, o A Esquerda se vê como um partido popular, situado no meio do dia a dia. "Somos estimados por estarmos tanto do lado dos que alugam uma hortazinha fora da cidade, quanto pelos proprietários de casas", resumiu.

Tendo como pano de fundo a tradicional hostilidade entre esquerdistas e social-democratas, o político de 58 anos assegurou que cuidará para que o SPD "não desapareça" na Turíngia, onde seu prestígio já está bastante abalado.

Koalitionsvertrag Thüringen 20.11.2014 Erfurt

Da esq. para a dir. : Susanne Hennig-Wellsow (A Esquerda), Dieter Lauinger (Verde) e Andreas Bausewein (SPD) apresentam acordo de coalizão

Pragmatismo ou traição

Os esquerdistas ortodoxos não deixam de condenar o bem sucedido curso mais pragmático e aberto a concessões, adotado por Ramelow e seus apoiadores, como suposta traição e "entrega" dos valores puramente socialistas em troca de uma coalizão com social-democratas e verdes.

Em entrevista ao jornal Neue Osnabrücker Zeitung, contudo, a presidente federal do A Esquerda, Katja Kipping, classificou a coalizão governamental da Turíngia como uma diretriz para outros estados alemães, com um possível "efeito como sinal político".

Ela enfatizou que, até as próximas eleições legislativas federais, em 2017, é preciso haver nos estados "o máximo possível de governos sem a CDU" – o partido da chefe de governo Angela Merkel, atualmente em seu terceiro mandato.

Numa alusão às cores respectivamente associadas à esquerda e à direita na política alemã, Kipping complementou: "Nossa meta é formar um círculo vermelho em torno do preto da Chancelaria Federal".

AV/afp/rtr/dpa

Leia mais