Estações biográficas de Theodor Adorno | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 02.09.2003
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Estações biográficas de Theodor Adorno

Poucos que se envolvem com sua teoria sabem que o W. de Theodor W. Adorno está para Wiesengrund, o sobrenome judeu de seu pai. Adorno della Piana é o sobrenome de sua mãe, cantora de origem alemã-corsa-genovense. Vir ao mundo em 1903 significou nascer em plena virada de século. Uma infância antes de 1914, poupada das mazelas da Primeira Guerra Mundial.

A juventude em pleno laboratório intelectual que foi a República de Weimar e o desgosto com a ascensão dos nazistas ao poder, que expulsaram do território alemão toda a inteligentsia pensante. Aí o exílio nos EUA, com sua indústria cultural em pleno vapor. A Segunda Guerra, Auschwitz, o retorno à Alemanha e a era Adenauer. Os confrontos com os estudantes de 68. Todas as estações ligadas por um fio condutor: a história da intelectualidade judaica na Alemanha.

Mentor da quebra do tabu em torno do nazismo, Adorno foi um dos responsáveis pelo despertar de consciência no pós-guerra. "Só hoje nos ficou claro o que Adorno desencadeou há 50 anos, ao escrever que compor um poema sobre Auschwitz seria um ato bárbaro. Adorno foi aquele que quebrou o tabu de Auschwitz como ninguém, tornando claro à Alemanha que a democracia só é possível graças à auto-análise", finaliza seu biógrafo Stefan Müller-Doohm.