1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Essencial à sobrevivência, rio Nilo influencia política regional

Projetos de melhor utilização das águas do mais longo rio do mundo podem trazer alívio às populações carentes de sua bacia. Para especialistas, conflitos por água são evitáveis na África Oriental.

"A água é o único fator que poderia levar nosso país a uma nova guerra", declarou certa vez Anwar al Sadat, ex-presidente do Egito e Prêmio Nobel da Paz. Tal ameaça preocupa ainda hoje a Etiópia, país que, assim como Egito, compõe a bacia do Nilo, o mais longo rio do mundo. A Etiópia vive uma situação paradoxal: apesar de o país ser a fonte de mais de 80% das águas do Nilo, sua população não tem permissão para utilizar o rio para irrigar suas terras.

Isso porque, de acordo com uma lei britânica dos tempos coloniais, o Egito tem concessão para receber a maior parte dessas águas. Segundo a mesma lei, acordada entre Egito e Reino Unido, o governo egípcio pode vetar tentativas de outros países da bacia do Nilo de utilizar as águas do rio para projetos de irrigação.

Utilização dos recursos hídricos

Tissiat Falls, Blauer Nil, Äthiopien

Etiópia é fonte da maior parte das águas do Nilo, mas enfrenta restrição para utilizá-las

A Etiópia planeja explorar mais seus rios, incluindo o Nilo. Existem planos para a construção de seis usinas hidrelétricas, e a irrigação agrícola deve ser intensificada. Tais iniciativas são fundamentais para o país, um dos mais pobres do mundo. Muitos de seus habitantes não têm acesso à água limpa ou à energia elétrica.

Com a expansão das redes etíopes de irrigação, o volume da água do Nilo no Egito poderia diminuir, explica o especialista em África Oriental Stephan Roll, do Instituto Alemão de Assuntos Internacionais e de Segurança (Stiftung Wissenschaft und Politik, em alemão). Além disso, a Etiópia teria condições de controlar o fluxo de água, o que o governo egípcio tenta evitar.

O Nilo cobre quase toda a demanda de água do Egito. Aproximadamente 95% dos egípcios vivem em uma área que representa apenas 5% do território do país, nas regiões do vale e do delta do Nilo. O rio irriga as plantações, fornece água para as indústrias e abastece a população.

Devido a tal dependência, não surpreenderia se alguns egípcios imitassem Saddat e considerassem a possibilidade de uma ação militar para garantir o abastecimento hídrico do país através do Nilo.

Iniciativa para a Bacia do Nilo

Carrying water in Ethiopia

O acesso à água limpa na Etiópia é um dos piores do mundo

A partir de 1999, Egito, Etiópia e os outros oito países às margens do Nilo debateram, através da Iniciativa para a Bacia do Nilo, uma redistribuição das águas do rio, sem chegar a resultados concretos.

Em 2010, um acordo (River Nile Basin Cooperative Framework, em inglês) foi assinado por cinco desses países – Etiópia, Ruanda, Uganda, Quênia e Tanzânia. Posteriormente, o Burundi também se juntou ao grupo.

A iniciativa ameaçou provocar uma crise na região, a qual observadores dizem que, em caso extremo, poderia levar à guerra. Entretanto, especialistas acreditam que o conflito poderia ser evitado.

“Temos que levar em consideração o fato de que a maioria desses países não tem condições de mobilizar seus exércitos", considera Soeren Schollvin, do Instituto Alemão de Estudos Globais e Regionais (Giga). "É mais provável que uma crescente escassez de água na África Oriental aumente a solidariedade entre os países", completa Roll.

Roll também discute a ideia de um mercado de água da África Oriental, que proporcionaria a compra e o comércio do precioso líquido pelos países. Na opinião do especialista, isso também ajudaria a evitar conflitos.

Autor: Martin Schrader (rc)
Revisão: Luisa Frey

Leia mais