1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Esquerda tenta barrar nova onda de privatização na Alemanha

Governo alemão quer vender participações no valor de 9,2 bilhões de euros em 2007, o que anima o mercado financeiro, mas também gera críticas. Esquerda cobra relatório sobre privatizações. PPPs também são questionadas.

default

Deutsche Bahn: 'última prata da casa', candidata à privatização

Se tudo correr conforme planejado, a Alemanha poderá estabelecer um novo recorde de privatização em 2007. Segundo o projeto de orçamento federal, o governo prevê uma receita da ordem de 9,2 bilhões de euros com a venda de participações em empresas ao longo deste ano.

Isso é bem mais do que a média anual de 6,7 bilhões de euros que o Tesouro alemão obteve com as privatizações entre 1999 e 2006. Nesse período, o Ministério das Finanças arrecadou um total de 54 bilhões de euros, principalmente com a venda da telefônica Deutsche Telekom e da Deutsche Post (correios e banco estatal).

Elogios e críticas

Os novos planos de Berlim, apresentados como mais um passo para equilibrar o orçamento até 2011, animam o mercado financeiro. "O governo federal se livra de participações em empresas e, assim, fomenta a produtividade e a cultura acionária", festeja o fundo de investimentos Union Investiment, com sede em Frankfurt, que administra aplicações no valor de 144 bilhões de euros.

O que para os analistas do mercado financeiro é um bem-vindo recuo do Estado de áreas em que o setor privado supostamente é melhor, para os críticos da privatização representa a "queima" de patrimônio público.

A bancada do Partido de Esquerda no Bundestag (câmara baixa do Parlamento) fez um pedido de informações em dezembro passado, exigindo que o governo apresente um relatório sobre as conseqüências das privatizações realizadas desde 1995, antes de vender as "últimas pratas da casa", como a rede ferroviária Deutsche Bahn (prevista para 2008) ou as participações nos aeroportos de Berlim, Colônia e Munique.

Telekom Dossier 3

Telekom: privatização popularizou a Bolsa de Valores, mas elimimou empregos

Os signatários do requerimento argumentam que a privatização da telefonia e dos correios, por exemplo, representou a eliminação de inúmeros empregos e vagas para estagiários. "Desde a sua privatização até 2005, a Deutsche Telekom cortou mais de 100 mil empregos. Até 2008, devem ser eliminados outros 32 mil postos de trabalho", aponta o texto.

Eficiência duvidosa

Até mesmo os analistas do Union Investiment admitem, numa publicação para acionistas, que a Telekom costuma ser considerada um exemplo negativo de privatização, "mas sem a T-Aktie [ação lançada pela Telekom ao ser privatizada] muitos alemães até hoje não saberiam o que é a Bolsa de Valores".

Em compensação, acrescentam, a Deutsche Post, a Lufthansa e a E.on são exemplos de ex-estatais bem-sucedidas. Sete das 30 empresas que formam o índice Dax da Bolsa de Frankfurt são ex-estatais.

"A E.on, por exemplo, é o maior provedor privado de energia do mundo e tenta comprar a espanhola Endesa por 30 bilhões de euros. Se ela fosse estatal, essa fusão estaria fadada ao fracasso", sentenciam os analistas. O fundo não menciona, porém, que o atual oligopólio no setor energético irrita cada vez mais as autoridades e os consumidores alemães.

Sinais de recuo

Um sinal de que a venda do patrimônio público para tapar furos do orçamento começa a ser questionada nos mais altos escalões políticos em Berlim foi o recente veto do presidente alemão, Horst Köhler, à lei de privatização de 74,9% da empresa de segurança aérea (Deutsche Flugsicherung).

Um outro exemplo é que deputados da bancada federal da União Democrata Cristã (CDU) estão tentando convencer o Banco do Estado de Hessen a não vender a gráfica federal a um investidor estrangeiro. A Bundesdruckerei, responsável pela impressão de documentos como a carteira de identidade, fora vendida em 2000 à Private Equity Fonds Apax. A empresa entrou em dificuldades por especulações na bolsa e acabou sendo incorporada pelo banco estadual.

Os Estados e municípios alemães também privatizaram muitos de seus serviços nos últimos anos, na maioria das vezes para sanear seus orçamentos. O resultado nem sempre tem sido o esperado.

Ärzte-Visite im Krankenhaus

Hospital São Jorge, em Hamburgo

Em 2004, a cidade-Estado de Hamburgo vendeu seus hospitais (com 12,4 mil funcionários) por um valor nominal de 319 milhões de euros à Asklepios. Só que o contrato foi feito de tal forma que a compradora até agora só precisou pagar 19 milhões (o resto é financiado) e, nos últimos dois anos, recebeu 37,8 milhões de "ajuda" pública.

"Resultado: até agora, Hamburgo pagou mais do que recebeu pela venda de seus hospitais", concluem os economistas Albrecht Müller e Wolfgang Lieb, numa análise dos "descaminhos da privatização".

O caso de Hamburgo parece estar servindo de alerta. Algumas prefeituras alemãs, insatisfeitas com os serviços prestados pelo setor privado, começam a "reestatizar", por exemplo, a coleta do lixo, noticiou a emissora de televisão pública ARD nesta semana.

PPPs: bomba-relógio

Uma alternativa às privatizações, lançada há três anos pelo governo social-demcrata-verde em Berlim, é a formação de Parcerias Público Privadas (PPPs). A primeira PPP, a do sistema de coleta de pedágio para caminhões, foi tão problemática que o governo alemão está cobrando na Justiça uma indenização de 5,1 bilhões de euros das operadoras do sistema (DaimlerChrysler, Telekom e CofiRoute).

A maioria das PPPs na Alemanha envolvem a manutenção de estradas, pontes, prisões, hospitais e edifícios públicos. É o caso, por exemplo, de 90 escolas saneadas e administradas desde 2004 pela construtora Hoch-Tief em Offenbach, no Estado de Hessen.

O caso de Offenbach é considerado bem-sucedido. Já em Frankfurt foi construído através de PPP um complexo educacional avaliado em 54 milhões de euros, que custará 104 milhões de aluguel à prefeitura nos próximos 20 anos. "É uma conta que ninguém entende", diz o líder da bancada do SPD na Câmara Municipal, Klaus Oesterling.

Casos como estes levaram o Tribunal de Contas da União a advertir recentemente: "As PPPs não são uma nova fonte de receita para o Estado. A longo prazo, elas podem se tornar perigosas, porque o peso dos financiamentos é transferido para o futuro".

Leia mais

  • Data 18.01.2007
  • Autoria Geraldo Hoffmann
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/9iuD
  • Data 18.01.2007
  • Autoria Geraldo Hoffmann
  • Imprimir Imprimir a página
  • Link permanente http://p.dw.com/p/9iuD